Foto: Luiza Garcia

Juliana D Passos homenageia pombo-giras, figuras marcantes da cultura afro-brasileira

Postado em 13/08/2021, 17:53

Novo videoclipe da artista catarinense, produzido pelo Canal Macumbaria, homenageia Maria Padilha, entidade popular da Umbanda

Dia 14 de agosto marca o lançamento do videoclipe “O Sol do Amanhecer”, da cantora Juliana D Passos, produzido pelo Canal Macumbaria. A data foi escolhida por ser o dia “Delas”, as controversas e populares pombo-giras. É uma data emblemática para Terreiros, para as religiões de matriz africana e também para o folclore brasileiro. A produção faz frente ao desconhecimento sobre o tema, resultado de um processo de preconceito religioso.

Juliana explica que na Umbanda, todos os seres possuem guardiões, que são Exus e Pombo-giras. E apesar da confusão no senso comum, as pombo-giras são várias, e não uma só. Como Maria Padilha, Maria Quitéria, Maria Figueira, Rosa Caveira, e muitas outras. 

São entidades poderosas, representadas por uma mulher sensual, independente e dominadora, incorporada por um ou uma médium. “A pombo gira vem na forma de uma mulher forte, descarada, que tem a verdade pra te falar. Ela traz a força, o poder feminino”, comenta Juliana.

Conforme a cantora, a entidade representa “uma guardiã, uma grande amiga, que traz muitos ensinamentos, muita sabedoria e força”. Para o videoclipe, a entidade escolhida foi Maria Padilha, uma das mais conhecidas falanges de pombo-gira na Umbanda. 

“Maria Padilha é a protagonista da música que escolhi para fazer o clipe. Ela tem muitas características que me encantam, como a alegria, o deboche, a risada, a força, as palavras sempre muito assertivas e sinceras.”

Juliana explica que além da homenagem, o clipe também serve para desmistificar essas interpretações equivocadas e preconceituosas da pombo-gira. 

“Uma mulher que fica gargalhando, girando, rodando, bebendo. Não é isso. O que elas trazem é muito mais do que a gente possa imaginar. Essa é a maior forma que eu posso fazer para homenageá-las, cantando essa música muito bonita, que acredito que vai tocar no coração de quem vai ouvir e quem ver o videoclipe”.

O espetáculo Macumbaria

O clipe de “O Sol do Amanhecer” é parte do Macumbaria, espetáculo artístico de música e dança sobre as raízes africanas, o folclore e a espiritualidade na cultura brasileira e no cenário catarinense. Devido a pandemia da Covid-19, o espetáculo físico migrou para o espaço digital, criando no Youtube o Canal Macumbaria

Hoje, o canal conta com mais de 184 mil inscritos no Youtube, e é considerado uma das principais fontes de música genuinamente brasileira, com viés de matriz africana. Seus conteúdos são fonte de pesquisa para a musicalidade, entretenimento e registro cultural dos povos e religiões afro-brasileiras. 

Foto: Luiza Garcia

O primeiro clipe da campanha, lançado em abril, foi dedicado ao deus Iorubá do fogo, Xangô, uma das divindades mais populares da cultura afro-brasileira. Em junho foi a vez de Exu, uma divindade comumente e de forma equivocada confundida com o diabo. Agora é a vez de Maria Padilha, talvez a mais conhecida das pombo-giras.

A série de clipes do Macumbaria faz parte dos projetos artísticos que estão sendo viabilizados graças aos recursos da Lei Aldir Blanc, via Prefeitura Municipal de São José.

Juliana comenta que além dos três clipes, mais três ainda serão produzidos para homenagear a Umbanda, além de um vídeo especial sobre o Dia da Consciência Negra. 

“A gente quer levar a mensagem dos orixás, das divindades e entidades, o mais longe possível para que todos possam conhecer a beleza do culto de matriz africana, seus aspectos culturais por meio das crenças trazidas por nossos antepassados”, detalha.

Serviço

Lançamento do videoclipe “O Sol do Amanhecer”, 14 de agosto de 2021.

Link para assistir ao teaser: https://www.youtube.com/watch?v=Knv8W_M9FS

Instagram Macumbaria: https://www.instagram.com/canalmacumbaria/

Facebook Macumbaria: https://www.facebook.com/canalmacumbaria/

Site Juliana D Passos: https://julianadpassos.com.br

Tags: ,



Estudante de Jornalismo (UFSC) dedicada à escrita de reportagens, com foco na cobertura de direitos humanos. Estagiária no Portal Catarinas, sob supervisão de Paula Guimarães.
Veja a coluna da Gabriele Oliveira Silva