Uma palestra na Plaza San Martín com o ativista trans e o professor Quimey Ramos/Foto: divulgação

Manual de Educação Sexual feito pelas próprias estudantes

Postado em 23/03/2019, 15:01

Como não recebem educação sexual abrangente, estudantes de 15 a 18 anos de uma escola pública em La Plata, na Argentina, decidiram escrever seu próprio livro com o conteúdo que desejam receber e o governo os nega. Elas e eles fizeram isso no âmbito do Programa Juventude e Memória da Comissão Provincial da Memória. Durante quase um ano, cozinharam e venderam bolos para arrecadar fundos e trabalharam fora do horário escolar, guiados por uma professora de literatura.

As e os estudantes procuraram materiais, foram a bibliotecas e congressos e também entrevistaram referências que consideravam essenciais para a compreensão de determinados temas, como um ativista trans e a mãe de uma vítima de tráfico. O resultado é maravilhoso. Não só porque o livro cobre em 180 páginas eixos essenciais da Educação Sexual Integral como violência sexista e feminicídios; a prevenção de gravidezes indesejadas; o debate sobre a legalização e descriminalização do aborto; a linguagem inclusiva; identidade de gênero e diversidade sexual; a situação das mulheres trans e travestis, violência de gênero durante a última ditadura militar; o problema do tráfico de mulheres para exploração sexual, entre várias outras, mas, e fundamentalmente pela criatividade na abordagem de cada tópico, com uma trajetória histórica, jurídica, com as vozes dos protagonistas, fragmentos de histórias, letras, recomendações de filmes, perguntas para abrir discussões e favorecer a reflexão, dados estatísticos, infográficos, referências ao contexto internacional, artigos de jornais e fotografias de arquivos.

Onde está minha educação sexual integral? Um direito das e dos estudantes, assim é chamado o manual que será apresentado em breve, mas pode ser acessado e baixado gratuitamente aqui.

É um projeto extracurricular, no âmbito do programa Juventude e Memória, que visa às e aos jovens optarem por trabalhar durante todo o ano um tema que tem a ver com um direito violado. Alunas/os da Escola Secundária nº 14, Carlos Vergara, de La Plata, escolheram, então, uma educação sexual abrangente, que eles não recebem nas salas de aula. Eles foram motivados pelo professor de literatura, Andrea Beratz. “Nos encontramos fora do horário de aula, duas vezes por semana, durante cinco horas aproximadamente. Mais dias de entrevistas, congressos … “, disse Andrea, que está prestes a se formar como psicóloga. O processo de produção do livro, eles contam, foi transformador para todas/os. Especialmente para a professora: ela tem 32 anos e há 9 é professora. No caminho, por exemplo, um dos alunos conseguiu revelar sua verdadeira identidade de gênero e mudou seu nome.

Um homem trans de outra escola, que ouviu falar da iniciativa, pediu o passe para o Carlos Vergara e se registrou com seu nome masculino, escolhido no final do ano, pois ao conhecer o conteúdo do livro, sentiu que poderia ser um espaço educacional mais inclusivo do que o que tive até aquele momento. Ele já começou as aulas na nova escola. Irene Scotti, uma das alunas que participaram, disse que escolheu o assunto, porque “estava presente na boca de muitos estudantes e em outras escolas para falar sobre educação sexual, mas de maneira não escolarizada, porque nós não recebíamos realmente como deveríamos fazer na escola”. Ele acrescentou: “Achamos importante jogá-lo de forma mais informada, de modo que garotas e garotos tivessem essa ferramenta e não tivessem que adivinhar ou confiar em experiências pessoais ou no que seus colegas de classe pudessem lhes dizer. Precisamos de educação sexual integral porque existe uma lei que indica isso. No processo, eu e meus colegas aprendemos muitas coisas. E muitos de nossos amigos que não estavam no projeto também fizeram isso. E servirá para que muitas pessoas tenham o mesmo conhecimento que nós nesses assuntos ”.

VicPiga, parte do grupo de autores, disse: “No meu caso, ajudou-me muito a me encontrar, a me reconhecer, a pensar fora do que é o binarismo. Ninguém vai esquecer este projeto e o que foi necessário para isso.” Tomás Harry, outro estudante, contribuiu: “Para mim, fazer o livro foi como acordar. E descobrir muitas realidades, tanto individuais como coletivas, que mais do que qualquer coisa me fizeram perceber os privilégios que a sociedade me dá pelo simples fato de ser um gênero masculino e branco e tirar direitos a outras pessoas por serem mulheres trans, lésbicas, bissexuais, etc. É por isso que escolhemos este tópico e fizemos um livro. Porque tem a força para nos fazer perceber, certo?” Candela Fisser acrescentou: “Acho que ainda não estamos conscientes da magnitude e da chegada do livro sem ser publicado. Foi um processo longo e exaustivo. No momento em que o gráfico nos enviou os planos do livro, foi uma grande satisfação. Nós não estávamos cientes do nosso esforço até que vimos isso. Tem bom conteúdo. E eles são assuntos que não são falados na escola, eles ainda são tabus. Espero que chegue a todas as escolas e seja usado nas nossas”. Para Lara Soubielle, outra participante, “a experiência de fazer o livro me fez crescer como pessoa, me deu muito conhecimento que nos fez questionar as coisas que são naturalizadas”. Lara e seus companheiros desejam que “seja algo que possa influenciar as pessoas”.

– Como você trabalhou o livro?
– Primeiro nós delimitamos os capítulos. Sabíamos que as histórias da ativista trans Quimey Ramos e Marta Ramallo, mãe de Johana, desaparecida desde 2017, tinham que estar. E nós queríamos contar a de Sandra Ayala Gamboa, mas não conseguimos localizar Nelly, sua mãe. Queríamos trabalhar sobre o tema da mídia e a análise do discurso jornalístico. Primeiro, fizemos uma ordem de prioridades: o que não poderia faltar em cada capítulo. No capítulo sobre a Lei da Interrupção Voluntária da Gravidez, sabíamos que a decisão da Suprema Corte não poderia estar ausente. E então outras bordas se abriram, o que tivemos que fechar porque se não acabássemos fazendo uma enciclopédia “, ele diz e ri.

– Que repercussões eles tiveram?
-Os caras comentaram com caras de outros centros estudantis. E eles nos perguntam onde podem comprar. O livro não vende. Pode ser baixado gratuitamente no blog da escola: cnvergara.blogspot.com. Além disso, criaram uma conta de e-mail para responder a consultas: [email protected]

O pontapé que deu origem ao livro foi um levantamento feito em 2017, com estudantes e adultos na escola, gestores, professores, tutores, equipe de orientação, sem professores, com base em duas perguntas específicas para ver o que eles sabiam sobre ele: O que é gênero? e o que é violência de gênero?, contou Andrea. Ao analisarem as respostas perceberam que pouco conheciam. “Decidimos com as meninas que trabalham no projeto, que essas informações seriam fornecidas pelos alunos aos seus pares e também aos adultos, porque o desconhecimento partia de todas e todos. E eu também me reconheço como parte desses adultos, que embora eu tenha lidado com alguns tópicos com um pouco mais de profundidade, eu também não sabia muitas coisas “, admite o professor. E que muitas vezes, “eu encontrei nos discursos que foram repetidas por anos na mesma sociedade”, que discrimina LGBT + ou repetidas mitos sobre a violência masculina.  “O ano passado foi um ano de grandes transformações, tanto para nós como um time, como em um nível pessoal. Eu aprendi muitas coisas … Foi muito comovente o relato em primeira pessoa de quem entrevistamos, as histórias pessoais, cara a cara. Foi um ano de crescimento em todos os sentidos, fundamentalmente no sentido de fazer perguntas que antes eram proibidas “, diz ela, orgulhosa do trabalho que fez com a equipe de alunos.

Publicado originalmente em Página 12.

Traduzido por Catarinas.