Foto: Luiza Filippo

“Sou cativa da tua luta”: Juliana D Passos lança música “Negra”

Postado em 20/11/2020, 10:19

É em Santa Catarina, no estado mais branco do país, segundo o último Censo do IBGE, que Juliana D Passos apresenta há cinco anos o espetáculo Macumbaria, um musical que exalta a cultura das religiões de matriz africana. Neste 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, a cantora e compositora lança em suas plataformas o clipe da canção Negra, de composição de Iara Germer.

“Negra/ Esse turbante na cabeça/ Esse teu porte de rainha/A nos mostrar como a história foi injusta e cruel/Negra/ Pra reavivar a nossa memória/É que caminhas tão altiva/Soberana desde a ingrata escravidão/Negra, sou cativa da sua luta/ Contra a inglória e a disputa/ A liberdade é a nossa glória/Bato o tambor no coração pra semear e cultivar o amor “, diz trecho da música.

Ainda que aluda à desumanidade, forjada pelo período da escravidão, a música celebra a força das mulheres negras diante da trajetória de luta e resistência por mais de quatro séculos no Brasil. A interpretação integra a série “Acordes de Aruanda”, dedicada à cultura afro-brasileira e às canções de Terreiro, disponível no Canal Macumbaria, que já ultrapassou 152 mil inscritas/os.

O trabalho contra a intolerância religiosa, desenvolvido por Juliana D Passos, faz frente a uma tendência supremacista branca em Santa Catarina, estado que nesta semana ocupou o noticiário nacional com o caso de racismo contra a primeira vereadora negra eleita em Joinville. Ana Lúcia Martins (PT) sofreu ataques racistas e chegou a ser ameaçada de morte nas redes sociais por grupos neonazistas.

Conforme publicamos neste ano, Santa Catarina é o segundo estado do país, atrás de São Paulo, em número de grupos nazistas identificados em fóruns na Internet.

“Queria uma canção de artistas locais que pudesse expressar a necessidade de mudança profunda na sociedade em relação ao racismo, ao preconceito, à injustiça tão enraizada ainda nos dias atuais e a Iara escreveu essa pérola musical tão potente que me veio à mente na hora em que pensei no projeto”, afirma Juliana.

O clipe foi lançado simultaneamente no Youtube e Facebook, e em breve estará também nas plataformas de streaming: spotify, deezer, youtube music, itunes e apple music. A canção já é bastante conhecida pelas apresentações do grupo Cores de Aidê e agora ganhou versão intimista, porém não menos assertiva, com a força da letra de Iara Germer e da interpretação emocionada de Juliana D Passos.

A gravação da nova temporada da série Acordes de Aruanda aconteceu na Casa do Sambaqui e contou com a participação do percussionista Alexandre Damaria e do violonista Thiago Larroyd.

Conversamos com Juliana D Passos sobre a sua atuação político-cultural:

Você pode falar um pouco sobre esse lançamento especial no Dia da Consciência Negra?
Macumbaria é um espetáculo, um projeto que exalta e celebra a Umbamba, o Candomblé e a cultura de negritude, que é de onde vem essas religiões, da mãe África.

Estamos com a série Acordes de Aruanda, lançamos uma vez por mês um vídeo especial. Geralmente, as músicas que apresentamos são com atabaque. Uma vez por mês celebramos orixás específicos. Neste mês estamos celebrando os Pretos-Velhos. Para o dia 20, escolhi essa música da Iara Germer, porque a gente precisa conscientizar, inclusive os umbandistas, que a Umbanda é uma religião que justamente acolhe a diversidade.

É uma religião preta que acolhe pretos, brancos, indígenas, LGBTs, independente inclusive do seu credo, porque pessoas de outras religiões frequentam o terreiro para tomar passe.

Foto: Tiago Lautert

A gente precisa conscientizar sobre toda forma de diversidade, brasilidade, todas a raças envolvidas no Brasil. E nos entendemos mais brasileiros dentro da nossa religião. Meu trabalho é para conscientizar principalmente os umbandistas e seguidores do canal que geralmente são brancos e não entendem quando coloco um vídeo celebrando a cultura negra, celebrando a religião. O Preto-Velho é preto né, se você trabalha com preto-velho e não entende o que ele passou… O Preto-Velho faz parte de um povo que não escolheu vir pra cá pra ser escravizado. Reis, rainhas, princesas vieram no lugar de seus súditos para passar tudo que a negritude passou no Brasil e em diversos países, onde foram escravizados. Se não tiver esse entendimento, não faz sentido ser da Umbanda. É isso que quero trazer com essa música, é a conscientização dos religiosos e não religiosos, justamente no Dia da Consciência Negra.

O Natal e o Ano Novo do preto é 20 de novembro e 13 de maio, que é quando a gente tem visibilidade. São dois dias para passar um recado, dias em que as pessoas vão prestar mais atenção na gente.

Como você percebeu o caso de racismo contra a vereadora eleita de Joinville, Ana Lúcia Martins? Você já teve que lidar/enfrentar práticas racistas?
Não me surpreende por eu ser preta, já passei por diversas práticas racistas. Não só de racismo, o mais constante é intolerância religiosa, mas não deixa de ser racismo também, porque minha religião é da negritude e de cultura preta, então isso também passa a ser um ato racista. Quase que diariamente sou classificada como filha do demônio.

Foto: Luiza Filippo

O caso da Ana não me assusta porque eu sou paulistana. A gente, em São Paulo, tem um pouco mais de diversidade cultural e racial, mas isso não quer dizer que a gente não sofra racismo, mas vamos dizer você não se torna um ser estranho dentro de um ambiente mais branco como acontece aqui, em Santa Catarina. Aqui você acaba se tornando uma pessoa exótica. Acham que podem passar a mão no seu cabelo sem tua permissão, sem te conhecer, tocar nas suas roupas, que podem te objetificar, que podem dizer injúrias como disseram a ela. Achei muito sagaz da parte dela já entrar com uma ação contra e combater o mais rápido possível.

A música “Negra” traz esse empoderamento a todas as mulheres que passam por isso.

Sou fruto de um relacionamento interracial, meu pai era branco, minha mãe era negra. Devido ao colorismo, a Ana vai passar por muito mais problemas do que já passei, porque quanto mais escura a cor da pele pior. Até quando eu falo sobre negritude, as pessoas me falam “mas você não é tão preta assim”. Até para os próprios pretos, quer dizer que não posso celebrar muito a minha negritude porque sou fruto de relacionamento interracial. Isso faz parte do colorismo, eu entendo e respeito, mas isso não vai deixar de eu celebrar a minha negritude que vem da minha mãe, de toda a minha família materna, e que tenho muito orgulho de toda a descendência, ancestralidade que trago no Macumbaria, na minha religião, nos meus orixás. O que devemos fazer é mais ações de empoderamento, de combater o racismo, essa ação de tomar providências contra o racismo vai empoderar a Ana cada vez mais. Por muito tempo ficamos caladas e calados.

Cada vez mais vejo mulheres maravilhosas pretas, incríveis, como a Jeruse Romão, a Solange Adão, Gisele Marques, cada vez mais trazendo essa consciência pra gente, são mulheres que me inspiram muito e que me ajudam a entender cada vez mais sobre a importância de se compreender preta, o feminismo negro, e o empoderamento feminino negro que a gente traz com o Macumbaria.

Foto: Luiza Filippo

Eu não conseguia entender por ignorância, hoje entendo que várias situações que passei foram racistas. Vamos trazer vídeos que tratam da diversidade cultural, racial, os pretos, indígenas, nordestinos, toda essa diversidade que temos na nossa religião Umbanda que veio justamente para combater o racismo que tinha em outra religião, que não aceitava esses espíritos e os achava como de baixa elevação, vibração.

Sim, constantemente passo por situações racistas e de intolerância que cada vez mais temos que combater com cultura, porque o conhecimento vai combater a ignorância. Se eu posso fazer com música é dessa forma que vou trazer esse conhecimento pra quem tá precisando ouvir, aprender mais sobre.  

Tags:



Portal de jornalismo especializado em gênero, feminismos e direitos humanos.
Veja a coluna da Portal Catarinas