É um golpe profundamente racista, denunciam/Foto: EFE

“É um golpe de oligarcas e fundamentalistas”, denunciam feministas da Bolívia

Postado em 11/11/2019, 15:32

Feministas, integrantes da Revista Marea, publicaram um informe, nesse domingo (10), sobre o que ocorre na Bolívia. O informe foi feito em áudio por Adriana Guzman Arroyo, que se apresenta como feminista comunitária antipatriarcal. Ela pede que o comunicado seja divulgado amplamente como forma de aumentar a pressão internacional contra o golpe.

“Antes de tudo, é importante deixar claro que este é um golpe de estado e um golpe para organizações sociais, um golpe liderado por organizações cívicas do leste, organizações empresariais de proprietários de terras e oligarcas. É um golpe fundamentalista, porque propõe devolver a Bíblia ao palácio para colocar o país nas mãos de Deus, é um golpe profundamente racista porque procura e identifica as mulheres e os homens originais nas organizações e os vigia.

Ontem à noite a polícia se amotinou e esta manhã todos os regimentos se amotinaram com um pedido específico para seu setor. Mas eles também se juntam a este golpe cívico e também exigem a renúncia de Evo Morales; A polícia não está mais vigiando as cidades, a polícia não está mais nas ruas.

Por seu lado, os militares fizeram uma declaração nesta manhã, tentaram ignorar o comandante afirmando que não partiriam. Eles estão planejando um desprezo pelo Presidente Morales; eles não saem para se proteger, não se defrontam com o povo, não se desmobilizam, isto é, são atingidos pelos cidadãos, pelos empresários, pelos oligarcas. Isso não está se espalhando, porque internamente na Bolívia a mídia pertence a empresários e grupos de poder, a ideia de que é um golpe de estado e um golpe para organizações sociais não é clara, não é claro que seja. Um golpe racista.

Da mesma forma, o que está acontecendo no país não está se espalhando, a sede das organizações sociais camponesas está queimando, a sede das organizações sociais indígenas, eles estão queimando os espaços que o movimento teve para o socialismo, sua sede, seus espaços. É importante lembrar que o movimento para o socialismo é um instrumento moldado pelas organizações sociais.

Eles também estão queimando casas de autoridades indígenas, líderes e líderes sociais; nossos companheiros, nossos irmãos, estão sendo perseguidos, estamos sendo perseguidos nas ruas, porque tomamos espaço público para encontrar uma maneira de resistir, mas fomos perseguidos e intimidados. Esses grupos que se dizem cívicos, querem afirmar que é uma recuperação da democracia, mas isso é falso, porque não vivíamos em uma ditadura. Eles querem afirmar que sua organização é uma resistência civil, mas isso também é falso, porque são grupos armados. Companheiras, irmãs, são grupos que têm lanças, capacetes, escudos, gases, explosivos e que também usam violência sexual.

Acho que eles usam essas armas para representar um suposto golpe civil, mas não se esqueça que por trás dessas armas estão as da polícia e dos militares, então é um teatro que eles estão realizando para dizer que não é um golpe . Sabemos que é um golpe de estado, que é com violência, que está gerando terror e que é punição racista porque eles estão indo para todas as organizações sociais indígenas, nativas e camponesas. Eles pegaram a Confederação dos Trabalhadores Camponeses (CSUTCB), amarraram um colega jornalista diretor da rádio que ele estava transmitindo e até agora ele ainda é sequestrado, ele ainda está amarrado. Eles saquearam, destruíram a CSUTCB, abaixaram a Wiphala que foi içada nesta sede e levantaram a bandeira tricolor, a bandeira da Bolívia.

Foi o que fizeram em todas as organizações que tomaram, caíram, quebraram e queimaram o Wiphala, rezaram e colocaram sua bandeira. Essa é uma lição do racismo, do colonialismo, que é uma lição para organizações que estiveram nesse processo de mudança. Isso é uma perseguição às organizações e não está sendo divulgada na mídia, a única coisa que foi mostrada na mídia é que a violência é gerada pelo MAS e pelo governo.

Atualmente, o governo não tem mais o apoio da polícia ou das forças armadas, as organizações sociais estão se reorganizando para resistir e as organizações com maior probabilidade de pressionar são aquelas que estão se preparando para fazer um cerco às cidades. Camponeses e organizações nativas. A CSUTCB já declarou que fará uma cerca, que fechará o abastecimento de água, isso certamente será denunciado como violência, mas não temos outra possibilidade. O que ele pede é deixar a cidade Luis Fernando Camacho, que lidera este golpe e todas as pessoas que chegaram ao comitê cívico de Santa Cruz e que tomaram a cidade.

Esta é uma situação que não esperávamos, não tínhamos visto tantas pessoas que de repente tomaram a cidade, instituições, televisão nacional, rádios comunitárias com tanta violência e gerando terror; isto é, hoje eles nos escondem, são perseguidos e isso não sai na mídia. Peço que compartilhem que o que vivemos na Bolívia é um golpe de estado, com violência, perseguição e punição contra homens e mulheres indígenas. Portanto, precisamos da pressão e denúncia internacional das organizações sociais.

O Evo pediu um diálogo, acreditamos como feministas anti-patriarcais da comunidade que isso está fora do tempo, que o direito não vai querer nenhum diálogo, quer colocar o Evo nas piores condições humilhantes e dar a ele em seu corpo e organizações uma lição, para que o país continue a existir sobre colonialismo e racismo gerenciado por oligarcas e empresários.

Pedimos que você possa divulgar essas informações, a reclamação e a pressão internacional são muito importantes.

Muito obrigado, irmãs.”

Transcrição: Camila Murcia

 

 




Portal de jornalismo especializado em gênero, feminismos e direitos humanos.
Veja a coluna da Portal Catarinas