Livia Sant’Anna Vaz, promotora de justiça do Ministério Público da Bahia, é uma das entrevistadas/Foto Kátia Klock

Documentário sobre a luta antirracista no Brasil tem pré-estreia em Florianópolis

Postado em 03/03/2020, 14:09

Obra debate temas relacionados ao enfrentamento da desigualdade numa sociedade marcada pelo racismo estrutural 

Com histórias de vida e resistência sobre a força da cultura do povo negro no Brasil, o longa-metragem “Quem precisa de identidade?” terá pré-estreia no Cinema do CIC (Centro Integrado de Cultura), em Florianópolis, na próxima quinta-feira (5), às 20 horas. A entrada é franca.

Numa coprodução da Contraponto e Manacá Cine para o canal CineBrasil TV, o documentário é dirigido por Kátia Klock e Márcia Navai, que assina o argumento com Ana Veiga, e tem direção de produção de Lícia Brancher. Entre os pontos de destaque está a música-tema “Lugar de Identidade”, composta e interpretada por Marissol Mwaba, com a participação de François Muleka, Dandara Manoela, Alegre Corrêa e Addia Furtado.

O filme foi rodado em quatro cidades brasileiras – Florianópolis e Tubarão (SC), São Paulo (SP) e Salvador (Bahia). A equipe contou com a consultoria de Karine de Souza Silva, professora doutora do curso de Relações Internacionais da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). “Estou honrada de estar com todas essas pessoas tão significantes nesse projeto. O resultado é uma costura de personagens em que tudo ficou muito bem encaixado”, afirma a professora.

Uma das vozes do documentário é de Livia Sant’Anna Vaz, promotora de justiça do Ministério Público da Bahia. “Nós não conhecemos os heróis e heroínas negros do nosso país. Muito pelo contrário, os negros são sempre representados nos livros de história como pessoas subalternas e inferiorizadas”, analisou a promotora.

Nesse mosaico de histórias que compõem “Quem precisa de identidade?”, está também o registro do encontro da equipe com Nilma Lino Gomes, professora, educadora e ex-Ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos (2015-2016).

Ex-Ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes Brasil, durante as filmagens/Foto: Kátia Klock

O documentário apresenta imagens de arquivo da AFP – Agence France-Presse, da Fundação Pierre Verger e do Acervo Digital de Cultura Negra, Cultne. Realizado com os recursos do BRDE, através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), da ANCINE (Agência Nacional de Cinema), o filme tem apoio do canal CineBrasil TV.

A montagem documental
A narrativa é construída a partir de discussões de intelectuais e professores universitários, que se mesclam às histórias de personagens afro-brasileiros, haitianos e africanos de várias nacionalidades. “Eu me realizo ouvindo histórias e dando voz a essas histórias. Esse trabalho, em particular, é intenso e desafiador por tratar de um assunto forte e delicado como o racismo estrutural no Brasil”, comenta Kátia Klock.

“A luta antirracista, pela igualdade, pelo direito à cultura e à religião faz parte do dia a dia do povo preto. O filme vem dizer que é hora dessa luta fazer parte das vidas de cada uma e cada um de nós. É disso que o documentário fala e é isso que ele quer passar para todas as pessoas que puderem assistir”, explicou Márcia Navai, uma das responsáveis pelo argumento.

“A escolha do tema do documentário não trata apenas de racismo e preconceito, mas da própria estrutura da sociedade brasileira e sua herança escravista, que é provocada ainda mais com a presença dos imigrantes negros e negras que vêm de tantos lugares”, pontuou Ana Veiga, historiadora e uma das autoras do argumento.

O artista Gloire Ilonde (República Democrática do Congo) e a professora Joseleide Medeiros (Campo Grande-MT) com a equipe em São Paulo/Foto: divulgação

Sinopse
Histórias íntimas e coletivas despertam sensibilidades para questões sociais latentes. São mulheres, homens, pessoas LGBTs, povo de santo, imigrantes que ganham a tela com suas vivências e experiências, colocando em debate o que é ser negra e negro no Brasil. Em grupos e em ações individuais elas mobilizam ativismo e superação na luta cotidiana pela existência e por um lugar de respeito e de direitos.

Ficha Técnica
COPRODUÇÃO Contraponto e Manacá Cine DIREÇÃO Kátia Klock e Márcia Navai ARGUMENTO Ana Veiga e Márcia Navai PRODUÇÃO EXECUTIVA Lícia Brancher . Kátia Klock . Ana Veiga . Márcia Navai ROTEIRO Ana Veiga e Kátia Klock DIREÇÃO DE PRODUÇÃO Lícia Brancher ASSISTÊNCIA DE PRODUÇÃO Sansara Buriti DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA Kike Kreuger . Rodney Suguita SOM DIRETO Ingrid Gonçalves . Nivaldo Oliveira . Edson Spitaletti . Marcello Benedicts . Ju Baratieri MONTAGEM Nara Hailer . Kátia Klock . Márcia Navai EDIÇÃO DE SOM E MIXAGEM Leandro Cordeiro FINALIZAÇÃO E ARTE Erico Dias MÚSICA ORIGINAL Marissol Mwaba ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Linete Martins . Luiza Coan

SERVIÇO
Pré-estreia do documentário Quem precisa de identidade? (Brasil, 83min, 2020)
Quando: quinta-feira, 5 de março, às 20 horas – Entrada franca
Onde: Cinema do CIC (Avenida Governador Irineu Bornhausen, 5600 – Agronômica, Florianópolis)
Página no Facebook: facebook.com/quemprecisadeidentidade




Portal de jornalismo especializado em gênero, feminismos e direitos humanos.
Veja a coluna da Portal Catarinas