Imagem da peça de teatro espanhola “Pequenos episódios de fascismo cotidiano”.

Coluna da Naomi Neri

Óleo de coco contra o fascismo

Postado em 03/01/2019, 20:32

Eu sou das antigas, aprendia dica de beleza com revistinha. Claro, salvo as devidas proporções de uma bichinha poc poc há uns 10 anos atrás, fazia o melhor para absorver o máximo de informações das edições femininas lidas às escondidas nas casas das amigas. O jeito é se virar com que a gente tinha. O que deixa o cabelo mais hidratado? Aquele brilho das estrelas? É possível ter o cabelo da Sandy com produtos que você tem em casa?!

No caso, sim, encontrei em um desses almanaques da beleza sobre os benefícios do óleo de coco! Massagem, removedor de maquiagem, deixava a pele macia e no cabelo, contava a reportagem, fazia misérias e milagres. Achei legal, óleo de coco a gente tinha em casa… Caseiro ainda! Minha avó tinha desespero em ver coisas estragando, então quando uns cocos sobravam ela fazia cocada, bolo e o que sobrava fervia pro óleo. E, assim, para falar a verdade, ninguém dava muito valor não. A gente já era meio que acostumada a ter sempre que quisesse e usava só na falta do que fazer.

Nesses tempos, devido a aventuras capilares infelizes fui em busca do tal do óleo das antigas, que era baratinho e durava um monte. Imaginem vocês a minha surpresa ao saber que o até então desdenhado vinha a nós como uma nova subcelebridade? E agora, totalmente fora do meu orçamento, não resta muito o que fazer senão contemplar seus efeitos nos corpos outros. E assim amigas, é o fascismo.

O fascismo não é surpresa pra ninguém. É o que minha vó praticava quando enjoava da cocada, o que meu vizinho encaixava entre lavar o carro e levar a filha na escola, e todo mundo já comeu alguma coisa com fascismo naquele almoço na casa da família! E gente, na boa, dá pra usar fascismo pra tudo! Pra justificar fake news, valores morais, falta de informação – é praticamente o melhor amigo do lar.

Ninguém se espanta com que vê todo dia, moças. Falar de fascismo é pra quem já está aqui dentro (da bolha), o resto do povo nem sabe o que significa. Discurso de ódio? Puff, balela! Todo mundo já viu, isso não dói na ferida de ninguém. Mas o que eu quero dizer é: fascismo é um negócio que começou uma bostinha feito o óleo de coco e elegeu presidente.

Tem um monte dessas coisinhas que pouca gente dá bola, mas que faz um efeito desgraçado no futuro. Por exemplo? Estado teocrático! Parece besteira, mas todo mundo que foi crente escutou que sobre um movimento de querer tornar o cristianismo religião oficial do Brasil. E o que isso significa? Em linhas gerais, que Brasil acima de tudo e Deus acima de todos mesmo, principalmente em cima de saúde pública das mulheres, direitos humanos e população LGBT. Bancada evangélica está crescendo a troco de quê?

Estado teocrático é que nem aquelas ampolinhas coloridas de farmácia, pra gente usar no cabelo, que custam uns 50 centavos cada e ficam abandonadas nas cestinhas pra quem quiser roubar. E daqui uns anos? Essa porcariazinha vai ultrapassar Herbalife, Hinode e crossfit pra virar maior rede de revendedores do Brasil, com esquema de pirâmide e prometendo a pessoa amada em três dias (se morar na Grande Florianópolis).

Fiquem ligadas moças, estamos sempre criando monstros.

 

 




Bióloga, pedagoga e estudante de ciências sociais na UFSC, Naomi é pisciana querendo viver o melhor da última encarnação. Transfeminista e ativista LGBT tem um canal no YouTube "NaomiNamulher" pra discutir a demanda popular!
Veja a coluna da Naomi Neri