Autobiografiadetodasnós_Fábia_Regina
Fábia Regina./Foto: Projeto “Autobiografia de Todas nós”.

Projeto dá visibilidade às mulheres da iluminação teatral em Curitiba

Postado em 19/04/2021, 17:42

Em um mercado predominantemente masculino, documentário mostra o que é fazer iluminação teatral sendo mulher, resgatando a história, memória e desafio de mulheres iluminadoras, docentes e técnicas de luz na cidade

O isolamento da pandemia e a pausa forçada no trabalho de iluminação teatral fizeram as artistas Nadja Naira e Gabriela Valcanaia refletirem sobre os rostos e vozes invisíveis de mulheres dentro da cadeia produtiva do teatro. Inspiradas nisso, elas desenharam o projeto “Autobiografia de Todas Nós” que, apoiado pela Lei Aldir Blanc através da Fundação Cultural de Curitiba, nasce agora de forma remota, no pior momento da pandemia em Curitiba. O projeto gera renda para 16 mulheres trabalhadoras da cultura que construíram toda a iniciativa.

O projeto é composto por um mapeamento virtual de profissionais mulheres da luz de Curitiba e região, um mini documentário, um ensaio, e duas rodas de conversa sobre o que é ser mulher trabalhadora da luz. O site www.todasnos.art já está no ar e, por lá, é possível conhecer a história de cerca de 25 mulheres que trabalham com iluminação cênica em Curitiba e região, além de possibilitar o registro de novas profissionais de forma ininterrupta. O mini documentário “Depois de Nós”, de Nadja Naira, Nina Rosa Sá, Carol Winter e Érica Silva também já está na plataforma, assim como o ensaio “A história de quem agiu no breu”, escrito por Gabriela Valcanaia.

Autobiografiadetodasnós_Lucri Reggiani
Lucri Reggiani./Foto: Projeto Autobiografia de Todas Nós.

O mini documentário é construído a partir de conversas com as iluminadoras Nadja Naira, Nadia Luciani, Semy Monastier, Lucri Reggiani, Fábia Regina e Gabriela Valcanaia, e ilustrado por imagens das profissionais no dia a dia do fazer teatral com iluminação. Quando tudo começou? Quais foram os desafios? O que é ser uma mulher iluminadora? Esses são alguns dos questionamentos trazidos pelo doc, que se propõe a contar histórias, registrar memórias e pensar como ser mulher hoje e projetar um futuro possível. Há pouquíssimo registro do trabalho das mulheres da luz em Curitiba e o projeto se dispõe a dar esse pontapé inicial. O documentário foi gravado em janeiro de 2021 sob todos os protocolos de segurança necessários para evitar a propagação da Covid-19.

Partindo da vivência e memórias pessoais como artista e iluminadora, Gabriela Valcanaia faz uma reflexão mais abrangente no ensaio textual: “A história de quem agiu no breu”, onde ela expande o diálogo sobre como a trajetória das mulheres foi retratada ao longo de milhares de anos de humanidade sob um regime patriarcal, e as consequências desse apagamento histórico para as profissionais mulheres e artistas contemporâneas.

Autobiografiadetodasnós_Nadia Luciani
Nadia Luciani./Foto: Projeto Autobiografia de Todas Nós.

Sobre a iniciativa, Nadja Naira, idealizadora do projeto, afirma: “Esse projeto é um lugar de reconhecimento, fortalecimento e possibilidades de criar novas formas de trabalhar em nossa profissão”. Para Gabriela Valcanaia, o projeto é uma oportunidade de contribuir para a reconstrução do passado a partir das mulheres: “Eu quero que construamos uma nova memória e que essa possa nos dar a autoestima histórica necessária para que percebamos que não estamos desbravando ambientes masculinos, mas que estamos reconquistando um espaço que foi criado por nossas ancestrais.”.

Todas as ações do projeto estão sendo divulgadas em parcerias com o coletivo “Mulheres na Luz”, do Instagram @mulheres_na_luz, criado por Lua de Melo Franco, Ligia Chaim e Aline Rodrigues, a página traz infos e discussões sobre iluminadoras cênicas de todo o Brasil.

SERVIÇO
Site do projeto: www.todasnos.art
Informações pelo Instagram: @mulheres_na_luz

Tags: ,



Portal de jornalismo especializado em gênero, feminismos e direitos humanos.
Veja a coluna da Portal Catarinas