Arte de Íris Paulo/Catarinas

Natural para quem? A mercantilização do amor-próprio feminino

Postado em 20/03/2019, 9:12

28 anos depois, a teoria criada por Naomi Wolf ganha uma nova face: a mercantilização do movimento pró-beleza natural 

“Quanto mais numerosos os obstáculos legais e materiais vencidos pelas mulheres, mais rígidas, pesadas e cruéis as imagens de beleza feminina impostas.As duras palavras foram escritas em 1990 pela estadunidense Naomi Wolf, no seu ensaio O Mito da Beleza – Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Nele, ela descreve o que diz ser o último estandarte da dominação masculina. O mito da beleza. Uma amarra psicológica com a qual todas as mulheres se veriam presas em maior ou menor intensidade.

Naomi analisa a intensificação da exigência da beleza feminina depois da chamada segunda onda feminista, na década de 1960, quando as mulheres exigiam o direito ao trabalho fora do lar. Para ela, com o passar do tempo o mito se adequaria às bandeiras levantadas pelas mulheres, sem, contudo, libertá-las da sua própria lógica de submissão – a da terceira jornada de trabalho. Depois dos afazeres do lar e emprego, a mulher ainda se vê obrigada a cuidar da aparência.

28 anos depois da publicação d’O Mito, uma quarta onda feminista surge com a força vinda das redes sociais, do compartilhamento de informações em tempo real e da sensação de união – mesmo que virtual – provocada. É nesse contexto que surgem os discursos da auto-aceitação, amor-próprio e valorização da beleza natural. Eles entraram pelas redes sociais, se popularizaram, e hoje alcançam espaço até mesmo nos principais canais midiáticos do país.

Ao mesmo tempo, convive-se com o surgimento de produtos que reduzem a ação do envelhecimento; são feitos aos milhares pequenos ‘retoques’, como alongamento de cílios e preenchimento labial; e ainda há a onipresente repulsa à gordura, celulites, pelos e estrias. Enquanto tudo isso opera no campo social, as indústrias de beleza e estética continuam lucrando bilhões anualmente. É sobre estas contradições entre discurso e realidade que esta série de reportagens aborda.  

Beleza não é opção

A transformação das relações das mulheres com seus corpos e da sociedade com a beleza das mulheres.

1972. A fila para a vaga de secretária de uma empresa tradicional de Porto Alegre era imensa. Regina chegava meio triste, meio esperançosa. Aos 16 anos, acabara de perder o pai, provedor da família de 7 filhas. Embora as mais velhas já trabalhassem, ela foi obrigada a achar emprego para completar o sustento da casa. O cabelo repartido ao meio, trançado até as costas, a saia curta e a cara lavada evidenciavam sua juventude.

Ela destoava de outras candidatas, de salto alto, maquiadas e bem vestidas. Depois de algum tempo, o representante da empresa chegou, e escolheu a dedo as candidatas: as mais altas, mais maquiadas. As mais bonitas. Dispensou todo o resto – entre elas, Regina. 46 anos depois, ela ainda lembra do episódio como o seu primeiro contato com o mercado de trabalho.

Hoje aposentada, Regina Helena Flach trabalhou por 10 anos como coordenadora da Agência de Estágios e Empregos do Rio Grande Do Sul, a AGIRGS, uma filial da Fundação Carlos Joffre, com sede em Lages, Santa Catarina. Lá, ela orientava candidatos e candidatas como deveriam se apresentar em entrevistas de emprego.

“No passado, a beleza que era determinante. Mas embora seja proibido ter como pré-requisito a boa-aparência, não vou negar que hoje ainda é importante que o candidato esteja bem apresentado”.

Regina ressalta que sempre dizia para as mulheres que muita maquiagem não era necessária, mas cuidados com cabelos, unhas, e principalmente vestuário, sim. “Eram dicas que eu dava porque sabia que do outro lado [da empresa], isso ia pesar”.

O que se vê, e que Naomi Wolf pontua na parte d’O Mito da Beleza dedicada ao trabalho, é que a entrada das mulheres no mercado e sua consequente independência financeira (o que, por si só, ainda não foi conseguido por todas) acarretou uma importante mudança no Mito da Beleza. Ao mesmo tempo que as mulheres agora podiam trabalhar, era exigido delas uma aparência anti-natural para que tivessem direito a isso.

Passaram a ganhar seu dinheiro, mas precisavam gastá-lo na sua aparência. O episódio vivido na adolescência de Regina não foi um caso à parte. Durante as décadas de 1970 e 80, era fácil encontrar vagas de emprego que traziam como pré-requisito a boa aparência. E hoje, embora isso seja uma prática ilegal e passível de multa, nada impede o contratante de julgar e escolher candidatos – e principalmente, candidatas – por sua aparência física.

Regina Flach alerta que não é geral a percepção da diferença entre pedir um vestuário adequado ao emprego, e exigir a beleza em si. Ainda é muito comum perceber esta exigência em vagas de trabalho informal. A página de Facebook “Vagas Arrombadas” expõe anúncios online de vagas de emprego de condições, no mínimo, duvidosas.

O que começou como brincadeira acabou evidenciando situações críticas do mercado informal, que empregava 34 milhões de brasileiros em 2017, segundo o IBGE. São inúmeras as vagas como a mostrada ao lado, publicada em 18 de outubro 2017. Os contratantes exigem, além de boa aparência, que a mulher seja “magra, para caber no carro”, discreta, educada e sem filhos pequenos.

 

Sentir-se bonita é suficiente?

Essa exigência silenciosa de beleza não passa despercebida pelas mulheres. Um questionário anônimo online criado pela repórter, e que contou com a participação de 373 mulheres, constatou que 87% delas acreditam ser mais julgadas pela aparência do que por qualquer outra característica. A pesquisa, realizada entre os dias 14 e 26 de agosto de 2018, envolveu principalmente mulheres de Florianópolis, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e São Paulo. Intitulada Autoestima, beleza natural e consumo, ela traça um pequeno panorama sobre a relação das mulheres consigo mesmas, na era da valorização de corpos “naturais e reais”.  

Mais da metade das participantes se acham bonitas- concordo e concordo totalmente somaram 55% das respostas. Mas, se perguntadas se elas se acham bonitas sem maquiagem, a quantidade diminui quase 15%, indo para 40,5%. A quantidade de mulheres que se acham bonitas sem procedimentos estéticos cai drasticamente. Apenas 31,5%, ou seja, um terço das participantes, se vê como bela sem procedimentos como depilação ou maquiagem.

Já as consumidoras de produtos de beleza são uma maioria esmagadora: 90% das participantes consomem cosméticos e outros produtos do tipo. Cuidados para o cabelo, maquiagem em geral e creme hidratante para o corpo foram os itens mais citados – 92%, 68% e 63,5%, respectivamente. E no mundo da beleza, primeiro se paga, depois se consome. Por isso, 44% das participantes gastam 10% ou menos da renda mensal em cosméticos. 21% gastam entre 10 e 30% da renda e 31% não sabem quantificar, mas acreditam ser um valor baixo.

A relação entre a independência financeira feminina e a necessidade de beleza, descrita por Naomi Wolf, ainda se faz presente. Seja porque muitas mulheres continuam precisando de uma boa aparência para conseguir um emprego, seja para que consigam comprar produtos e/ou fazerem procedimentos e se sentirem bem consigo mesmas. Hoje, as mulheres podem – e devem – ganhar seu próprio dinheiro. Mas ao mesmo tempo,  ainda são obrigadas a gastá-lo de diferentes formas, para se adequarem à ideia de que mulheres precisam ser bonitas sempre, mesmo que “cada uma do seu jeito”. Beleza ainda não é opção.

 

Arte Íris Palo/Catarinas.

Empoderada sim, natural nunca

O consumo de produtos de beleza não se alterou com o movimento pró-beleza natural; o discurso das marcas e a identificação das clientes, sim

O calor que emana do asfalto e faz arder suas pernas não impede Janice de caminhar as centenas de metros que separam sua casa de seu destino. Em um sábado de setembro de 2018, entre um afazer e outro, ela deu a sua escapulida rotineira para um dos salões de beleza do bairro. “Meu cabelo horrível, se eu tiver com a unha feia e pelo no sovaco, aí que o meu marido não me olha mais”. Não é que ele reclame muito; na verdade, Janice sabe que ele mal nota se suas unhas estão cortadas em oval, amêndoa ou quadrado. Mas ela já está tão habituada a esse ritual que mal se lembra do tempo em que a cera quente ainda a queimava, os bifes arrancados das unhas doíam ou que ela ainda lacrimejava quando arrancavam os pelos de sua sobrancelha.

A cena é familiar para boa parte das mulheres brasileiras urbanas de classe média. Mesmo em tempos de exaltação da beleza natural em redes sociais e propagandas, os tratamentos anti-idade, depilações definitivas, microcirurgias e tantos outros procedimentos continuam presentes na vida destas mulheres. Somente em Florianópolis e nos municípios mais próximos, São José, Palhoça e Biguaçu, existem 329 clínicas de estética cadastradas no GuiaMais, um dos maiores sites de buscas de serviços da internet. Em média, uma clínica a cada 1400 mulheres, sem contar dermatologistas, salões de beleza, centros de emagrecimento e locais não cadastrados que também realizam procedimentos.

A beleza das verdinhas

Não são poucas as opções de lugares, marcas e preços para as mulheres que fazem estes procedimentos. E também não são poucas as mulheres, nem a quantidade de dinheiro que investem na beleza. A pesquisa online “Autoestima, beleza natural e consumo” mostrou que 90,3% das participantes consomem produtos de beleza e 81,5% realizaram algum procedimento estético recentemente. Quando perguntadas em relação ao dinheiro gasto mensalmente com beleza e estética, 44% responderam que gastam 10% ou menos da renda mensal; 21% gastam entre 10-30% da renda; 33% não souberam responder.

Gráfico Daniela Müller Brandão

Os resultados encontrados foram semelhantes à pesquisa referência do assunto no Brasil, realizada pela Sophia Minds Pesquisa e Inteligência de Mercado, empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher, em 2009. A pesquisa apurou que mulheres das classes C e D, grande maioria do Brasil, gastavam em média R$ 69 mensalmente em estética e beleza. Em 2009, quando a pesquisa foi feita, o salário mínimo era de R$ 465. “Ajustando” para o salário mínimo de hoje, é como se a cada R$ 954 ganhos, as mulheres gastassem R$ 143 com produtos de beleza.

E se há quem compre, há quem esteja vendendo – e muito. A indústria da beleza – que envolve a produção e venda de cosméticos e higiene pessoal, clínicas de estética, salões de beleza, etc – não parece ter sido afetada pela popularização do discurso pró-beleza natural. Ao menos, não no que tange aos cifrões ganhos. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), os lucros do setor em 2017 somaram R$ 47,5 bilhões, mantendo-se em uma média de ganhos estáveis que dura anos.

Embora grandes empresas como O Boticário, Avon e Natura não estejam lucrando tanto quanto o esperado (por exemplo, a receita da Avon caiu de U$ 1,39 bilhões no primeiro trimestre de 2017 para U$ 1,35 bilhões no mesmo período de 2018), as perdas são atribuídas aos custos operacionais, e não à venda direta. O Brasil continua o quinto maior mercado de cosméticos, consumindo 7% de todos os produtos do setor fabricados no mundo. Segundo a ABIHPEC, o elevado lucro do ramo no país é justificado como resultado de “uma cultura cada vez mais voltada ao cuidado com a saúde e bem estar” e a “participação crescente da mulher no mercado de trabalho” – exatamente como falava Naomi Wolf em seu Mito da Beleza.

Você já é bonita, mas fica mais ainda com o meu produto

A propagação em massa de imagens e propagandas na mídia foram imprescindíveis para que o mito da beleza se naturalizasse entre as mulheres, diz Naomi Wolf. A doutora em História e professora da Universidade Estadual de Santa Catarina, Nucia de Oliveira, corrobora com a ideia. “As sociedades impulsionadas pelos ideais de consumo e mídia associam ideias de beleza, juventude e magreza como algo a ser apresentado pelas mulheres. Essa ‘mulher ideal’ esteve, e está, nas capas de revistas, TV, cinema e redes sociais”, afirma a doutora, que tem sua formação acadêmica toda em relações de gênero e mídia.

Das donas de casa passivas e submissas brancas de classe média dos anos 1950, os modelos femininos de 1980 em diante passaram a ser modelos brancas com corpos magérrimos, jovens mas já bem-sucedidas e com um sex appeal capaz de atrair quaisquer homens que elas quisessem – assumindo ser isso o que todas as mulheres desejam. Para Nucia, essa padronização e imposição da beleza é extremamente nociva para as mulheres. “Esse ideal não apenas nega a diversidades dos corpos das mulheres como também indica modos de se adequar, curar, disfarçar… ou seja, adaptar-se ou esconder o que se é.”  

A mudança do ideal feminino com o passar do tempo: a fragilidade, a sexualização e o empoderamento/Montagem: Mahara Aguiar.

Hoje, outros tipos de mulheres e corpos começam a povoar as propagandas. A representatividade na mídia é uma das conquistas de movimentos de minorias, como ressalta Gilmara Ardnt, graduanda em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina e pesquisadora do Núcleo de Estudos e Ações em Gênero, Educação, Mídia e Subjetividade (NUGEMS). Mas ela alerta que não se pode ter ingenuidade analisando o fenômeno da ‘revolução feminista publicitária’: embora as propagandas tenham se transformado na aparência, não deixaram de ter como objetivo a venda dos produtos da marca.

Com a ampliação dos canais de comunicação e interação com os consumidores, as marcas segmentam suas propagandas e escolhem quais delas serão de pautas LGBT, feministas, negras, ou não. Gilmara explica que geralmente, as publicidades na web possuem esse conteúdo progressista, para serem vistas por pessoas jovens, teoricamente de mente mais aberta. Propagandas em TV e revista tendem a ser mais tradicionais. “As empresas estão atentas a que grupo estará atingindo em cada veículo de comunicação, sabem que propagandas terão mais ou menos aceitação”.

“Mas como as empresas de beleza podem criticar os padrões de beleza e essa cobrança estética sem questionar o seu próprio papel nisso?”, provoca a pesquisadora do NUGEMS. Ela explica que a estratégia das marcas é descaracterizar a necessidade social da beleza feminina. “As propagandas começam a trazer a ideia de uma auto-apreciação, como se o sentir-se bonita viesse mais de um olhar interno do que daquilo que a sociedade nos mostra”.

Esse movimento publicitário de evidenciar a força e independência femininas é chamado de femvertising (uma junção de feminism, feminismo, e advertising, propaganda). Não são poucas as marcas que utilizam a estratégia de atrelar o girl power (literalmente, poder feminino) com a venda de seus produtos – que, no fundo, ainda perpetuam diversos estereótipos de beleza, que não condizem com as mulheres verdadeiramente ao natural: com pelos e celulites, cabelos cinzas e brancos, estrias e gorduras.

Gilmara Ardnt explica que o femvertising não se iniciou na atualidade – na verdade, essa tática mercadológica existe desde os primórdios da publicidade e do consumo em massa. Confira esta e outras reflexões sobre mídia e mulheres neste trecho da entrevista.  

Atualmente, diversos movimentos surgem nas redes sociais e depois se propagam para outras mídias. O próprio ressurgimento do feminismo de pautas liberais pode ser visto assim. Como isso influencia a mudança de discurso nas empresas de beleza?
A apropriação de pautas feministas pelo mercado remonta à década de 1920, 1930. Comerciais de cigarro traziam o ato de fumar como atestado de independência e liberdade da mulher. Os sutiãs, na década de 1960, eram vendidos para dar maior autonomia, já que as mulheres não precisariam mais sentir seus peitos. Sempre acontece isso: associa-se a liberdade feminina com a liberdade de consumo. E principalmente nas publicidades virtuais, percebemos muitas mulheres se identificando, e muitos homens que não estão gostando dessas propagandas que questionam padrões de beleza. Querendo ou não, as publicidades estão comprando um lado, mesmo que a intenção inicial não seja essa. Mas não dá pra ser inocente e achar que as marcas estão “abraçando” novas causas, porque sim, existe uma finalidade mercadológica em tudo isso.

E esse é o jogo de femvertising.
Exatamente. Uma das questões importantes do femvertising é a ideia da beleza. Marcas como Avon, Natura e Dove identificaram seus públicos como consumidoras de 20 a 30 anos, de classe média que não se identificavam com as mulheres das propagandas. As marcas começaram a fazer campanhas pela beleza real, na ideia de que todas somos bonitas, essa coisa linda. Elas trazem essa mensagem de empoderamento, de sentir-se bonita, sem fazer uma crítica estrutural, conseguindo abraçar uma ideia neoliberal de empoderamento, algo muito individualista. O que eu vejo de mais problemático é esse feminismo mastigado, de “eu me maquio porque quero”, atrelando o produto a um desejo individual. É como se não existisse uma construção social nesse caso.

Pensando em saídas. Há possibilidade de uma quebra do padrão de beleza ainda reinante? Como tirar o poder da estética das empresas e entregar para as mulheres?
Com relação às empresas, acredito que essa transformação passa por uma modificação econômica que vai além da questão da estética. Com relação à beleza e pressão estética, o buraco é bem embaixo também. A relação entre mulher e beleza é muito anterior à mídia. O caminho que eu vejo, principalmente na relação com as publicidades, é trazendo uma educação para mídia. Que a gente aprenda a ler os conteúdos, entender que o que está ou não na mídia é sempre intencional. Assim, a gente consegue entender de onde vem essa “necessidade de estar bonita”. Eu parto de uma noção de interseccionalidade também, de entender o que eu reivindico de “não preciso ser bonita, magra, estou bem assim”, mas talvez não seja o que alguém invisibilizado reivindica. Outras pessoas podem querer se ver como bonitas na mídia, por um atestado de humanidade, de se ver como parte da sociedade.

Arte: Íris Palo/Catarinas.

Um futuro diferente no agora

Três mulheres, três realidades, três histórias. Em comum, a tentativa de libertação da necessidade da beleza imposta às mulheres, cada uma à sua maneira. Conheça Carolina, Mariah e Alexandra, duas das inúmeras mulheres que buscam uma outra relação com a beleza, a estética e suas próprias autonomias.

Escolas de Estética: possibilidade de mudança

A ficha caiu para Carolina quando uma adolescente de não mais que 16 anos e número 36 na cintura apareceu na clínica-escola pedindo uma solução para emagrecer, pois estava muito gorda. “Como temos aula de saúde [no Curso de Estética e Cosmética], logo percebi que ela estava com um transtorno alimentar e precisava de tratamento. Como profissionais, temos que alertar, mostrar um outro lado, orientando para não fazer nada invasivo.”

Há 3 anos, Carolina Arceno da Silva concretizou um desejo de anos e começou o curso superior em Estética e Cosmética, no SENAC Saúde e Beleza de Florianópolis. No último semestre, as alunas (pois o corpo estudantil do curso é quase unicamente feminino) praticam técnicas e procedimentos aprendidos na teoria e atendem na clínica-escola. Lá, Carolina percebe o início de uma mudança no comportamento das clientes.

“Tem diminuído a quantidade de pessoas que buscam procedimentos invasivos, estão escolhendo com mais cautela, procuram mais o bem-estar”. Mas mesmo assim, Carolina percebe com alarme a grande quantidade de mulheres que ainda não possuem uma relação saudável consigo mesmas e com seus corpos. Para ela, são duas as causas principais: a constância da novidade, prometendo ‘milagres’, e a perpetuação desse discurso na mídia.

“A novidade é o que chama as clientes. Quando vêem um nome novo, já buscam; é por isso que eu digo que a mídia dita as coisas sim, dita a moda. Tem um público mais sensato, que busca coisas mais naturais. Mas para algumas clientes, a influência da novidade é algo muito presente, até mesmo de amizades ou familiares. Se uma amiga ou parente fez um procedimento, todas querem fazer. Em questão de cirurgia plástica isso é muito presente. Quando estamos com as clientes no pré-operatório, ouvimos muito que estão fazendo porque as amigas fizeram.”

Para Carolina, cursar a graduação em Estética foi fundamental para perceber todas as nuances que permeiam a busca das mulheres pela beleza e perfeição. “A estética influencia muito a vida das mulheres, às vezes num lado positivo, às vezes num lado negativo. Mas sabendo ser utilizada, ela vem pra auxiliar”.

Carolina, assim como a pesquisadora Gilmara Ardnt, acredita que a mídia deve “dar o primeiro passo” na busca de uma relação mais saudável entre a estética e as mulheres. Mas também acredita que há uma esperança no fim do túnel, que não está tão distante assim. E assim como Gilmara, para Carolina a discussão de beleza natural pode representar um ganho para as mulheres – principalmente em questão de representatividade.

“As mulheres começaram a valorizar mais a sua própria beleza. A beleza afro antes era muito oprimida, por exemplo, e hoje já vemos mais cabelos afro, é muito legal. Mulheres gordas que chegam na clínica querendo só uma massagem, nada invasivo, e saem de lá sorridentes e felizes consigo.”

Carolina Arceno diz que a chave é perceber que a beleza não é externa, e sim que reside no bem-estar. “Gosto mais do lado natural e terapêutico da Estética. Eu penso a beleza pelo lado da saúde interna. Se você está bem, está feliz; está bela. Se a pessoa está feliz, se sentindo bem, ela não precisa estar numa procura desses procedimentos agressivos”.

Aceitação na pele

Mariah via as pernas sangrarem pela última vez. Doía, e ela sabia que aquela dor não iria parar nos próximos dias. O pensamento de que aquilo não estava certo martelava em sua cabeça, Os pelos serem grossos tornava as coisas ainda piores, e quando a cera quente era arrancada de si Mariah sempre sentia um pouquinho de si indo embora também. Então a garota de 16 anos tomou uma decisão. Não se submeteria ao ritual que há 4 anos deixava suas pernas e axilas doloridas e inchadas por dias a fio. Mariah Fonseca tomou coragem e comunicou à mãe: “Chega. Não vou mais me depilar”. Depois de algum tempo de insistência, a mãe concordou.

Do período de transição entre se depilar e não mais, Mariah Fonseca, hoje com 21 anos e estudante de Artes Visuais na Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, lembra principalmente da agonia que sentiu nos primeiros verões. “Eu ficava muito incomodada. Pensando o que as pessoas iam achar, se era muito estranho ou muito feio, porque todo mundo se depilava. Eu era uma das únicas pessoas que eu conhecia na época que não me depilava.” Era também uma das únicas meninas a não se maquiar na escola.

“No sexto ano minhas amigas começaram a se maquiar, passar esmalte, esse tipo de coisa. E eu tentei, porque né? Todo mundo fazia. Mas me incomodava, me sentia esquisita. Depois de um tempo acabei me aceitando e simplesmente parei. Às vezes eu até usava um batom e me sentia bem, mas geralmente não me sinto eu mesma, então eu não uso.” Mais uma vez, o processo de transição não foi linear, nem a tomada de decisão enfática. Foram precisos muitos momentos de reflexão.

Mas quando o calor aperta, Mariah tosa todos os fios: das pernas, das axilas e da cabeça. “É por questão de calor, não por questão estética. Uma vez por ano, ou quando me dá na telha de fazer”. Careca no verão, peluda no inverno, ela segue sua vida como todas as outras jovens mulheres do seu círculo social. Entre movimentos estudantis, círculos de amizades e estudos acadêmicos, seus pelos e espinhas lhe parecem coisas muito pequenas para que ela precise se preocupar.  

O que o mercado faz pelas pessoas?

O olhar decidido de Alexandra faz com que você saiba que ela é do tipo de pessoa que luta pelo que quer. E luta mesmo, e muito: há cinco anos, faz parte do grupo político Juventude Comunista Avançando – JCA, ligada ao, talvez, mais famoso comunista do Brasil, Luiz Carlos Prestes; há dois anos integra o Coletivo de Atrizes Negras – Nega, com quem realiza apresentações e atos de conscientização. Para Ale, encontrar beleza em si está intrinsecamente ligado a saber quem você é.

Leia agora parte da entrevista com a pernambucana de 23 anos, negra, trabalhadora, comunista e estudante de Teatro na UDESC. Com vocês, Alexandra de Melo.

A pesquisa Autoestima, beleza e consumo trouxe contou com a participação de quase 400 mulheres. Dentre as negras, as mais velhas, acima de 40 anos, pareciam ter uma autoestima menor do que a de mulheres negras mais jovens. A que isso pode ser atribuído?
Essa questão se relaciona com a nova fase que vivemos, onde a gente se pergunta o que é beleza. Faz cerca de quatro anos que o movimento de assumir os cachos ganhou força, da mina preta assumir seu cabelo e parar de fazer a química [de alisamento], e isso vai causando um novo processo de reconhecimento. O alisamento do cabelo de uma criança negra começa com a família, e a ideia de beleza que as mulheres negras mais velhas têm ainda é muito atrelada ao padrão branco, que é a mulher de cabelo liso, os traços afinados. Por isso, para a mulher mais velha é mais difícil se entender como mulher negra, no sentido de assumir o cabelo, a forma de se vestir e se comportar, enquanto uma mulher mais jovem tá podendo questionar tudo isso.

Também podemos perceber esses padrões enraizados no mercado de trabalho.
Exatamente, quando você vai trabalhar, algumas lojas querem um cabelo amarradinho, super baixo, penteados que no cabelo liso faz todo sentido, mas para o cabelo crespo não. Numa entrevista de emprego, se você aparece com um black power e uma mulher com cabelo liso amarrado, super “no lugar”, existe uma certa preferência. Ainda é difícil você encontrar uma clínica médica, por exemplo, onde parece que todo mundo segue um mesmo padrão, uma mulher com cabelo afro. E as mulheres mais velhas temem por suas filhas, suas sobrinhas, suas irmãs, de passarem por situações constrangedoras entrando no mercado de trabalho. Porque o trabalho ainda é o principal foco da pessoa negra, toda pessoa tem que sobreviver.

Hoje nas publicidades uma das principais questões é a da representatividade, que por um lado continua sendo uma lógica empresarial, mas por outro é uma conquista também.
O capital se apropria de tudo que dá lucro. Se você tem um mercado em potencial, ele vai se apropriar dele e fazer dinheiro com isso. É muito bom e importante encontrar produtos para cabelo afro em supermercado, lojas de cosméticos, o que era quase impossível no Sul do Brasil, onde a população é majoritariamente branca. Com a onda de empoderamento as mulheres, homens negros começaram a questionar o sentido mercadológico, para quem existe a indústria cosmética, e outros tipos de indústrias, como a de brinquedos. Isso acaba desencadeando um processo que não é o que o mercado ou a mídia acha necessário, mas é uma pressão, e eles tem que se adaptar a isso. Mas ao mesmo tempo esse acesso à bens de consumo e a locais de representação não é efetivamente ligado aos problemas que estão por trás de tudo isso.

O racismo não acabou. A população negra continua morrendo. Nenhuma estatística foi diminuída porque agora a gente tem produtos e representação na televisão. A estrutura racial extrapola as questões que a gente tá abordando nessa entrevista.

LGBTs, por exemplo, são um mercado fortíssimo, mas o Brasil ainda é o país que mais mata LGBTs. Então, o que o mercado realmente faz pelas pessoas? Ele tem um limite, vai até aonde é benefício para ele. É bom ligar a TV e ver comerciais com pessoas negras em lugares de poder, mas ainda não é tão significativo quando você vê a população e a situação em que ela se encontra.

Daqui pra frente, o que você acha que poderia acontecer, deveria acontecer, em relação a aceitação própria e da beleza natural?
Acho que a aceitação sempre tem que passar por um lugar de reconhecimento social, não da cor da pele somente, mas no sentido econômico, e de classe principalmente. Quando você se entende como um sujeito num todo, o seu reconhecimento no espelho torna-se mais completo. Uma coisa é me achar bonita por um reflexo que eu vejo, mas não entendendo quem sou; o que me interessa é todo o contexto que você vive, quem você é, e isso influencia diretamente no conforto que você tem ao se olhar no espelho. Enquanto eu me entendo como estudante, trabalhadora, negra, a forma que eu me vejo no espelho vai estar totalmente ligada à tudo isso que constrói meu caráter e minha personalidade. Dá muito mais força para enfrentar até mesmo os padrões estéticos e sair na rua do jeito que eu acordei!

*Esse material é resultado de uma grande reportagem com tema livre proposta no curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).