Convocatória foi mobilizada por integrantes do 8M Chile e do Ni Una Menos/Foto: Ana Clara Nicola

Assine a convocatória da Greve Feminista – 8M 2020

Postado em 10/02/2020, 10:24

 

Mulheres de várias identidades são convocadas à Greve Feminista, em 8 e 9 de março de 2020, em um apelo transfronteiriço. Leia a convocatória:

Assine aqui!

 

Apelo transfronteiriço à greve feminista em 8 e 9 de março de 2020

Companheiras, irmãs, feministas do mundo,

Os grupos aqui reunidos se juntam aos vários chamados que surgem de mulheres, lésbicas, trans, travestis, camponesas, indígenas, estudantes, trabalhadoras e mulheres negras, para que nos dias 8 e 9 de março mobilizemos, subvertamos e construamos estratégias comuns para continuar alimentando a rebelião feminista que se abriu e está se levantando em todo o mundo contra a dominação, exploração, ocupação e expropriação.

Hoje, estamos diante de um vértice histórico em escala global, e mais ainda em nossa região. Um momento de crise em que caminhos cada vez mais polarizados são abertos. Um, marcado pela ameaça de direitos neofascistas, que passam a administrar e aprofundar o neoliberalismo que mostra sua face mais mortal; um direito neofascista que propõe uma política racial e sexual lesboodiante, transodiante e misógina, protegida por uma penúltima luta contra a última que fortalece o racismo plantado desde os primeiros tempos coloniais. E em vista desse vértice, outra trajetória possível, marcada pelo que o poder feminista, plurinacional e antirracista conseguiu construir em nossos povos: a possibilidade de atualizar uma política para e as façanhas que reconstroem em uma nova chave a luta conjunta e transversal. A nova possibilidade de criar seu próprio programa e força. A descoberta de novas ferramentas de luta carregadas de significado e aprendizado histórico, frutos de memórias recuperadas da política do esquecimento.

É nesse vértice que nos colocamos e nos chamamos a subir para um processo de mobilização que explode em todos os aspectos da vida. Rebelar-se de nossos corpos / territórios contra o aumento da violência exercida sobre eles. Rebelar-se contra a violência sexual que é violência política. Contra a militarização e a violação sistemática dos direitos humanos, como as mulheres no Oriente Médio e no Curdistão estão fazendo desde um momento de resistência histórica em Rojava. Rebelar-se para responder à crise global de assistência e ao aumento do endividamento, que são formas diretas de precariedade da vida. Neste momento, nosso envolvimento nessa direção vai para as mulheres de Pollera e as vítimas do golpe racista e patriarcal na Bolívia. Rebelar-se para afirmar nosso poder de dizer não, para dizer o suficiente: mirar na frente, como fizemos, acompanhado pela mesma dança que é denunciada e que entrelaça nossas múltiplas biografias e suas marcas, para localizar aqueles que foram e os decisores políticos da gestão da miséria.

Apelamos à recuperação de nossos territórios a partir do extrativismo fundador dos processos colonizadores, que se estende e se manifesta em todo o mundo, e que foi fortalecido pelas alianças criminais e indivisíveis entre patriarcado e capital, que constroem uma trincheira de guerra que o principal objetivo é a liberdade, os direitos e discordâncias das mulheres e as experiências de vida comunitária que surgem em nossos territórios.

Convocamos a derrubar as múltiplas estruturas inter-relacionadas que compõem o patriarcado colonial, com a responsabilidade vital de desmantelar o racismo, sendo este um dos fundamentos mais importantes do capitalismo moderno, que continua a excluir os corpos racializados de qualquer acesso mínimo à dignificação de nossas experiência, mesmo após mais de 500 anos de invasão e exploração a que a abyayala foi submetida. Mulheres e diversos corpos negros nasceram em resistência e nunca fomos meros espectadores das mudanças radicais que precisamos para viver a vida que desejamos e desta vez não será a exceção, é necessário obscurecer o feminismo, reconhecer e tornar visíveis as negrume para um reparo histórico e sustentável.

Sabemos que as rebeliões das quais fazemos parte comprometem as esperanças dos povos do mundo, porque do sul mostramos novamente que existem revoltas, abalam as estruturas que nos oprimem, colapsam as histórias dominantes e abrem novas histórias , colocam à frente aqueles que sempre estiveram atrás de colocar as pessoas diante da possibilidade de serem protagonistas de sua história e que, em um momento de avanço do direito de caráter fascista, fundamentalista e racista, nos obriga a tomar a primeira linha, como As mulheres curdas em Rojava fizeram isso.

Hoje, mais do que nunca, recuperamos a primeira linha, uma primeira linha que se tece da multiplicidade de aspectos que preocupam nossas vidas. Nossa mobilização é diversa e responde às necessidades de cada um de nossos territórios, mas estamos confiantes no potencial de caracterização de uma greve feminista geral, considerada um processo de articulação, politização, intervenção da normalidade opressora. Uma greve que considera a interrupção de todos os tipos de empregos e que vai além de seu sentido “produtivo”, para colocar o centro nos empregos que sustentam a vida. Sabemos que os feminismos hoje se apresentam como uma alternativa nas cidades produtivas e, portanto, também na ruralidade e seus conhecimentos, e, portanto, nos 8M nos reunimos nesses vários espaços.

Somos chamados a ocupar todos os lugares, especialmente aqueles que nos foram historicamente negados. Pegá-los e transformá-los convergindo para elevar a possibilidade de uma vida que supera o desastre capitalista e patriarcal ao qual eles querem nos manter sujeitos. Nós levantamos um processo emancipatório que é transfronteiriço, do qual este 8M será um marco da maior importância. E sabemos também que ele não será o único: continuaremos tecendo e convocando-nos para construir a vida que queremos e sonhamos em viver.

Chamamos a nós mesmas a continuar no caminho da rebelião, a continuar e a aprofundar a eclosão dos povos. Levante-se e lute contra eles!

 

Tags: ,



Portal de jornalismo especializado em gênero, feminismos e direitos humanos.
Veja a coluna da Portal Catarinas