Foto: arquivo pessoal da autora

10 mentiras que contam sobre o feminismo nas igrejas

Postado em 25/08/2020, 13:43

Muitas pessoas não entendem por que mulheres cristãs têm reivindicado o termo Feminista Cristã. Em certa medida, pelo fato de a igreja protagonizar a opressão do corpo das mulheres e fomentar a cultura machista na qual a sociedade está fundamentada. Por outro lado, muitas mulheres religiosas se encontraram com o feminismo e decidiram continuar em suas comunidades de fé lutando contra a instituição que oprime mulheres por meio da fé. E chamamos à atenção para as mais de 100 milhões de mulheres cristãs brasileiras que precisam conhecer o feminismo e se libertarem do machismo. Queremos fazer uma ponte entre o feminismo e as mulheres cristãs que ainda não o conhecem.

Quer saber mais do feminismo? Já falaram mal do Feminismo na sua igreja? A seguir vamos listar as 10 maiores mentiras que propagam das feministas nas Igrejas.

1. Você já ouviu que as Feministas querem acabar com a família cristã?
Com certeza, sim. Geralmente essa frase vem junto com a afirmação de que mulheres devem ser submissas aos seus maridos. Pois bem, feministas não são contra o casamento, são contra o modelo violento de família que muitas vezes está presente em muitas igrejas. Maridos que exigem que suas esposas sejam empregadas domésticas, servas sexuais e as tratam como propriedades. As feministas cristãs acreditam que a família que está do coração de Deus, é a família na qual homens e mulheres são igualmente respeitados e que têm os mesmos direitos, em Jesus. (Gl. 3,28). Acreditamos que a família que está no coração de Deus, é aquela na qual mulheres não apanham, não são forçadas ao sexo e à subjugação marital. Acreditamos numa família na qual as mulheres são livres, donas de suas vidas e corpos.

2. Muitas igrejas promovem a ideia de que feministas não querem filhos e, portanto, são contra a família.
Não é verdade! Feministas são contra a maternidade compulsória, que prega que a mulher tem o dever e a missão de ter filhos. Acreditamos que essa deva ser uma escolha da mulher, por isso lutamos para que toda mulher tenha acesso à educação sexual e a métodos contraceptivos. Lutamos, também, por uma maternidade digna, com apoio integral à mãe e ao bebê na saúde, alimentação, creches e licença maternidade digna. Acreditarmos que o valor da mulher não está vinculado à função social da procriação e, por isso, não aceitamos criar os filhos sozinhas, os pais devem assumir os filhos tanto quanto as mães. Lutamos para que a maternidade não seja pesarosa e, sim, digna!

3. Você já deve ter escutado que as feministas são contra a “mulher feminina”.
Isso não é verdade! Feministas são contra padrões de comportamento impostos a mulheres como forma de controlá-las e fazê-las se sentirem feias ou indesejáveis. Somos contra a cultura do estupro que diz que a roupa da mulher diz quem ela é, somos contra os padrões de belezas que fazem muitas mulheres sofrerem e somos contra o controle dos corpos femininos – isso inclui o “nojo social” dos pelos femininos, das estrias, celulite, peso, cabelos e pele. Somos a favor de que a mulher faça com seu corpo o que lhe agradar, sem a cobrança de ser bonita para agradar os homens e a sociedade!

4. Você já deve ter escutado que as feministas cristãs não acreditam na Bíblia, né?
É mentira! As teólogas feministas estudam a bíblia sistematicamente e acreditam nela, sim. Contudo, a teólogas feministas são adeptas da teologia da suspeita, aquela que suspeita de toda interpretação machista da Bíblia. Que suspeita de usos e costumes de uma época como sendo a voz de Deus. Que suspeitam se coisas injustas da época em que a Bíblia foi escrita devem ser cumpridas sem a crítica e a desconfiança se de fato é uma questão espiritual ou a manutenção do patriarcado e do machismo que os homens instituíram na religião. As feministas cristãs acreditam que a leitura da Bíblia deve ser para a liberdade, pois foi para a liberdade que a Ruah nos chamou.

5. Com certeza, você já ouviu que as Feministas têm espírito de Jezabel.
Bem, isso é baseado na história da Rainha Jezabel, casada com Acabe, que seria “cruel e inescrupulosa” para conseguir o que queria. Nessa perspectiva, as Feministas fariam de tudo para destruir a Igreja e as famílias. Contudo, o que as feministas querem é acabar com os maus tratos que as mulheres sofrem em suas casas e com a submissão a qualquer custo, inclusive ao custo da vida das mulheres. O que chamam de rebeldia, nós chamamos de denúncia de uma instituição que oprime e silencia mulheres. Não se trata de rebeldia, se trata de luta pela vida das mulheres.

6. A legalização do aborto é um dos tópicos mais difíceis e que mais produzem fake news no meio cristão.
É uma pauta histórica do feminismo e nós, feministas cristãs, também lutamos por isso! Movimentos como #evengélicaspelalegalizaçãoexistem e levam a diante a pauta do Estado Laico. No Brasil, as mulheres que mais morrem por aborto são as mais pobres, pois não conseguem pagar uma boa clínica clandestina. A criminalização do aborto não faz com que ele não aconteça, apenas faz com que mulheres morram! Ninguém e a favor do aborto, somos a favor de que a mulher decida sobre seu corpo e, portanto, tenha educação sexual para decidir, contraceptivos para evitar e aborto seguro para não morrer! Pense, você conhece uma mulher que abortou? Ela sofreu com isso? Ela fez por crueldade ou por desespero? Um serviço legalizado vai acolher essa mulher, identificar quais as causas dessa decisão e apoiá-la para que não morra, deixando muitas vezes outros filhos órfãos. O que temos que entender, é que não se trata de matar bebês, como dizem. Se trata de proteger mulheres de uma morte indigna e de promover uma cultura do acolhimento, respeito à vida e de exercício livre da sexualidade da mulher.

7. Toda feminista é promíscua.
Essa é uma das mentiras que provavelmente você já ouviu. Quando se fala de feminismo na igreja, a principal ferramenta para desqualificar o movimento, é a difamação do comportamento sexual das mulheres feministas. Pois bem, a liberdade de corpo e de exercício livre da sexualidade é uma pauta das feministas, sim. Principalmente num país onde quase metade das mulheres nunca tiveram um orgasmo. Onde lésbicas são mortas por serem homossexuais. Onde muitas Igrejas proíbem o uso de métodos contraceptivos. Nos chamam de promíscuas, porque querem nos negar uma vida sexual sadia e satisfatória.

8. Você já deve ter ouvido que as feministas não gostam de lavar, passar e limpar a casa.
Inclusive, muitos dizem que o que falta às feministas é um “tanque cheio de roupa para lavar”. Pois bem, as feministas não são preguiçosas e não querem se eximir das atividades domésticas. Lutamos para que a mulher não seja vista como a única responsável por esse trabalho que não é remunerado e ocupa muitas de nós a ponto de não nos deixar estudar, trabalhar e nos divertir. Acreditamos, que todos que moram na casa devam ser responsáveis pelo cuidado do lar e dos filhos. Acreditamos que não é dever da mulher cuidar da casa, é dever de quem mora na casa – independentemente de gênero. Chega de sermos tratadas como serviçais e muitas vezes apanhamos e morremos, porque a comida não estava pronta! O trabalho doméstico sobrecarrega as mulheres, não seria melhor dividi-lo?

9. Você já deve ter escutado que feministas defendem um Estado Ateu, e que esse Estado perseguiria os crentes.
Essa afirmação é desonesta por vários motivos, dentre eles: 1. Quem disse que os ateus perseguem cristãos? Essa é uma forma de demonizar quem apenas pensa diferente e que não acredita nas mesmas coisas que acreditamos. 2. Quem tem perseguido LGBTS, pessoas de outras religiões e protagoniza o preconceito em nosso país é a própria igreja. Como ela afirma que será perseguida? Somos a favor do estado Laico, no qual todas as pessoas são respeitadas e livres para cultuarem suas divindades. Um lugar no qual a bíblia não seja confundida com a Constituição Brasileira.

10. Um grande argumento muito usado é que as Feministas deturpam a Palavra de Deus.
Isso é desonesto! O que defendermos é que cada um interpreta a bíblia do seu olhar e do seu lugar social. O que queremos é que as mulheres possam dizer da Bíblia o que as afeta e como elas interpretam esse texto. É possível outra interpretação que não coloquem as mulheres à margem? Nós acreditamos que sim, pois a própria bíblia diz que não há homem ou mulher (gl 3,28), há pessoas que querem exercer uma espiritualidade sadia. É para nós, uma espiritualidade sadia é sem MACHISMO!

O feminismo e as mulheres evangélicas: um diálogo que urge!

*Simony dos Anjos é mãe do Bernardo e da Nina. É evangélica, cientista social, mestre em educação, doutoranda em antropologia pela USP. Curadora da Coluna Féministas, no portal de notícias Justificando.com, espaço no qual mulheres discutem a relação entre fé, gênero, raça e política. É integrante do Coletivo Evangélicas Pela Igualdade de Gênero, da Rede de Mulheres Negras Evangélicas e filiada ao Psol/Osasco.