Carta de amor ao inimigo, do Grupo Cena 11, integra o acervo/Foto: Cristiano Prim

Pesquisadoras reúnem história da dança catarinense em midiateca

Postado em 23/10/2019, 14:46

Reunir um vasto acervo sobre a dança catarinense dos últimos 70 anos é o que pretende a Midiateca de Dança, projeto idealizado pelas professoras Jussara Xavier, Sandra Meyer e Vera Torres. O site, que será lançado em dezembro, foi contemplado pelo Fundo Municipal de Cultura, vinculado à Fundação Franklin Cascaes (FCC), e vai reunir diferentes tipos de mídia sobre a cena da dança em Florianópolis e no estado.

Guia de ideias correlatas, apresentação do Grupo Cena 11/Foto: Cristiano Prim

Em um primeiro momento, apenas os acervos pessoais, construídos através dos anos de atuação das professoras em projetos de pesquisa e na produção de espetáculos, serão disponibilizados. Sandra Meyer, uma das autoras do projeto, explica que o recorte se deu pelo fato desses acervos serem grandes e porque existem limitações em escala nacional, como a imensidão do território do país. Depois, com o projeto já estabelecido, a ideia é abrir para que outras pessoas possam contribuir também com o acervo.

No material catalogado pelas pesquisadoras estão imagens raras, como as primeiras apresentações da Escola de Danças Clássicas Albertina Saikowska de Ganzo, a primeira escola de ballet de Florianópolis. Fundada em 1950 por Albertina Saikowska de Ganzo, a escola foi berço de muitos artistas catarinenses e de importantes profissionais da dança, além de abrigar ensaios de grupos como o Ballet Desterro e o Grupo Cena 11 Cia de Dança. A escola encerrou as atividades em 2006, sob o comando de Pochi Ganzo, filha de Albertina.  

Meyer conta que a Midiateca surgiu da necessidade de se ter um espaço que juntasse todos esses materiais e que fosse de fácil acesso, uma vez que Santa Catarina não possui um local de acervo. “Se a gente tem um acervo, os pesquisadores passam para outros desafios, que não o de encontrar material. Mas se não há nada, é como começar do zero sempre”, afirma. 

Há também a necessidade de se trabalhar a questão da memória, vista como fundamental pelas realizadoras do projeto e pouco desenvolvida no Brasil. Não deixar a história da dança ser esquecida faz com que ela sirva para se pensar o momento presente, em termos estéticos e políticos. “Desconhecer o passado é achar que vai inventar a roda”, completa Meyer.

Ballet Desterro em apresentação no TAC, em 1987/Foto: acervo midiateca

Depois que a curadoria dos materiais estiver terminada, uma parte será doada para a Casa da Memória de Florianópolis, administrada pela FCC. Como é um trabalho minucioso e às vezes “o estado, o município não dão conta de cuidar dessa memória”, Meyer considera importante o apoio à pesquisadores que querem se debruçar sobre o assunto. “É interessante tirar das nossas gavetas, dos nosso armários e poder doar, depois de digitalizado. É bacana fazer isso, a gente vai descobrindo coisas, pessoas…”, comenta. 

Como parte do lançamento da Midiateca de Dança, uma série de palestras, ministrada pelas autoras do projeto, está sendo realizada durante o mês de outubro. Além da disponibilização do acervo, o objetivo é levantar um debate sobre o conhecimento e a pesquisa em dança. Meyer salienta que o curso é uma forma de refletir sobre as produções catarinenses e compreender o momento atual, entendendo “quais são as referências e porque a gente faz esse tipo de arte hoje”. “A gente acredita muito que sem ter essa dimensão do que a gente já viveu, já passou, é muito difícil entender o presente e até projetar o futuro”, conclui. 

Sobre as idealizadoras:

Sandra Meyer, Jussara Xavier, Vera Torres são idealizadoras do primeiro acervo relacionado ao tema/Foto: divulgação

Jussara Xavier
Atua como crítica de dança, diretora de espetáculos de dança e teatro, pesquisadora, professora, gestora e coordenadora de projetos culturais. Pós Doutora em Filosofia (UFSC), Doutora em Teatro (UDESC), Mestre em Artes – Comunicação e Semiótica (PUC/SP), Especialista em Dança Cênica (UDESC). É professora do curso de Graduação em Dança da FURB. Publicou os livros “Grupo Cena 11. Dançar é conhecer” (2015) e “Acontecimentos de dança: corporeidades e teatralidades contemporâneas” (2013).

Sandra Meyer
Artista, pesquisadora e professora titular do Programa de Pós-Graduação em Teatro do Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em Florianópolis. Atuou como docente da Maestría Profisional en Danza da Universidad Nacional – UNA, Costa Rica, onde lecionou as disciplinas Técnica de Danza 1 e Taller de Expresión y Composición 1 (Período: 1 a 28 de fevereiro de 2015 e 3 a 24 de março de 2017). É doutora em mestre em Artes, Comunicação e Semiótica pela PUC – São Paulo.

Vera Torres
Doutora em Estética, Ciências e Tecnologia das Artes: Teatro e Dança pela Universidade Paris 8, França (2012); Mestre em Artes: Dança (Master 2) – Universidade Paris 8 (2006); Mestre em Comunicação e Semiótica – PUC/SP (2000); Licenciada em Educação Física – Instituto Porto Alegre/ RS (1986). Professora Associada da Universidade Federal de Santa Catarina (CDS, 1997 – 2019) ministrando disciplinas como Teoria e Metodologia da Dança; Dança e Improvisação; Práticas e Histórias da Dança e Corpo, Improvisação e Composição em Dança.

Serviço:
Curso: Histórias da Dança Catarinense
Com Jussara Xavier, Sandra Meyer e Vera Torres
Dias 18 e 25 de outubro, das 14h às 18h
Auditório da Casa da Memória, Rua Padre Miguelinho, 58 Centro, Florianópolis
Inscrições gratuitas por e-mail: [email protected]ça.com ou no local 20 minutos antes do início25 de outubro de 2019: Poéticas da dança em SC nos anos 2000

 

*Luísa Michels é estagiária do curso de Jornalismo da UFSC. A matéria foi elaborada sob supervisão da jornalista Paula Guimarães.

Tags: , ,