Documentário acompanhou campanhas de mulheres pretas nas eleições de 2018. Divulgação.

Documentário retrata o legado deixado por Marielle Franco

Postado em 07/09/2020, 11:26

Estreia hoje, 7, o documentário “Sementes: Mulheres Pretas no Poder”, que aborda o primeiro turno das eleições de 2018 no Brasil e avança como resposta ao crime contra a trajetória de Marielle Franco. O documentário dirigido por Éthel Oliveira e Júlia Mariano poderá ser visto online e gratuitamente, às 19 horas (horário de Brasília), neste link.

De acordo com a sinopse do longa-metragem, as eleições de 2018 se transformaram no maior levante político conduzido por mulheres negras que o Brasil já viu, com candidaturas em todos os estados. No Rio de Janeiro, Mônica Francisco, Rose Cipriano, Renata Souza, Jaqueline de Jesus, Tainá de Paula e Talíria Petrone se candidataram para a Assembleia Legislativa e para a Câmara de Deputados. O documentário acompanhou essas mulheres em suas campanhas, mostrando que é possível uma nova forma de se fazer política no Brasil, transformando o luto em luta.

Legado de Marielle

Os acontecimentos políticos, econômicos, ideológicos e sociais que permeiam a vida social nos últimos anos tem agudizado os conflitos sociais e, com isso, novas apostas de lutas políticas e sociais têm sido lançadas pelas mulheres. A reorganização dos pactos e alianças patriarcais orquestraram o golpe que levou à saída da primeira presidenta mulher eleita no Brasil, Dilma Rousseff, no segundo ano de seu segundo mandato, em 2016.

De maneira trágica e brutal, em 2018, nos despedimos da vereadora Marielle Franco, a quinta candidata mais votada no município do Rio de Janeiro e a segunda mulher mais votada ao cargo de vereadora em todo o país. Este acontecimento despertou e desperta, até hoje, um misto de emoções e sentimentos assumidos pela luta feminista e antirracista, pois o legado de Marielle é um legado de Vida e Luta, de Resistência e Rebeldia. Há um pouco mais de dois anos de seu assassinato, a luta por resposta à pergunta “Quem mandou matar Marielle?” continua nos movendo.

Na última eleição, em 2018, o quadro de mulheres na política institucional teve ampliação de 11% a 15% no congresso brasileiro, quando foram eleitas 77 deputadas federais. Além disso, houve aumento de 93% em candidaturas autodeclaradas pretas em 2018. Mulheres jovens, negras, pobres, periféricas, faveladas, indígenas e LGBTs passaram a disputar os espaços de poder ocupados majoritariamente por maioria homens, de meia-idade, heterossexuais e brancos.

Mas a desproporcionalidade na representação política institucional é mais profunda. Conforme divulgado pelo Especial Mulheres na Política, em julho de 2020, embora as mulheres sejam 52% da população, 52,5% do eleitorado e quase metade das filiadas a partidos políticos, sua presença na política partidária em cargos eletivos não ultrapassa os 15%. Esse número faz do Brasil o país da América do Sul com a menor representação parlamentar feminina.

“Começa hoje a ocupação política e as Pretas no Poder!”

O longa-metragem dirigido pela estreante Éthel Oliveira e pela produtora executiva Júlia Mariano, contou com a participação da fotógrafa Marina Alves e da roteirista Lumena Aleluia. O documentário foi executado com uma equipe composta majoritariamente por mulheres, com igualdade entre mulheres brancas e pretas, e aborda a importância de haver maior presença das mulheres pretas na política. As narrativas sobre as mulheres pretas devem ser contadas a partir das mesmas, e não é mais possível uma política sem as vozes das mulheres pretas.

Além da estreia do documentário, estão programadas uma série de debates online, com temática relacionada.

Serviço:

07/09 às 19h – Estreia do filme
Live de abertura com as diretoras (Éthel Oliveira e Juliana Mariano) e exibição oficial: http://bit.ly/filmesementes
Mais informações em: https://embaubafilmes.com.br/locadora/sementes/

Debates online:
Link para inscrição: https://bit.ly/lives_docsementes

08/09 às 20h – Ocupação da política por mulheres negras com Taliria Petrone, Rose Cipriano, Tainá de Paula, Julia Mariano, Ethel Oliveira, Anielle Franco e mediação de Didi Couto

16/09 às 20h – Democracia e Antirracismo com Maria Sylvia (Geledés), Mônica Francisco, Jaqueline Gomes, Ingrid Farias (Quilomba) e mediação de Semayat Oliveira

22/09 às 20h – Por outras imaginações políticas com Katiúscia Ribeiro, Renata Souza, Vilma Reis e mediação de Tatiana Carvalho

30/09 às 20h – Desafios do cinema antiracista com Éthel Oliveira, Julia Mariano, Cintia Lima e mediação de Rodrigo Grillo.