Arte: Chris Mayer Fotoarteira

Coluna da Chris Mayer

Tudo que temos e somos tem milhares de mãos

Postado em 29/10/2019, 12:33

Quando compro uma camiseta, numa loja qualquer, preciso da vendedora, preciso da caixa para fazer o pagamento.

Para essa loja ter essa camiseta, precisa de alguém que a fabrique. Para alguém fabricar essa camiseta precisa do algodão. Para ter esse algodão, precisa de alguém que plante e colha.

Para essa camiseta chegar até essa loja, precisa de transporte da plantação até a fábrica, depois da fábrica até a loja.

Para ter esse transporte precisa de um veículo. Para ter esse veículo, precisa de alguém que o fabrique e o conduza. Para andar nesse veículo, precisa de combustível. Para ter esse combustível, precisa de um posto de gasolina que recebe esse combustível por outro veículo que o traz da refinaria, que recebe o petróleo extraído da terra ou do mar.

Para a fábrica fazer a camiseta, precisa de funcionários, precisa de água, precisa de luz elétrica. Para ter água é preciso ter toda a infraestrutura de água encanada, que por sua vez vem de um rio e é tratada, que por sua vez precisa de alguém para fazer isso. A luz vem de uma hidrelétrica que também tem muita gente trabalhando, e de usina em usina, através de fios, chega até onde é necessária. E precisa de muita gente para cuidar que tudo isso funcione.

Todas essas pessoas, das fábricas, da loja, do petróleo, da luz, da água, precisam comer, precisam morar, precisam estudar para existir, viver e também trabalhar.

Precisam do camponês que planta a comida, que tira o leite, que mata o boi. Precisam das feiras, precisam quem faça a nata, o queijo, corte o bife. Precisam de embalagens para colocar essa comida, de alguém que faça o plástico ou o papel para fazer a embalagem. Precisam de mercados para comprarem essa comida.

A casa, a escola, o mercado e a fábrica precisam ser construídos para você morar, comer, estudar e trabalhar. Para só então, comprar a camiseta.

Nada do que fazemos, conquistamos, compramos, tocamos, está só.

Ninguém faz nada sozinho, ninguém conquista nada sozinho. Nós somos.




Chris Mayer é fotógrafa, jornalista, escritora e palhaça. Dedica-se à fotografia de palco, dramaturgia cômica, crônicas, retratos, fusões. Busca a conexão imagens, textos e palco. Tinha um laboratório P&B na área de serviço. Lecionou fotografia nas faculdades de jornalismo, publicidade, artes visuais e arquitetura. Fotografou dissertações e editou um livro de fotopoemas.
Veja a coluna da Chris Mayer