Esta, diferente de mim, não se acovarda/Foto: Silvia Grav

Coluna da Fêre Rocha

Madalena

Postado em 19/09/2016, 10:25

Eu não deveria te dizer, Madalena, mas não vai ter outra vez igual. Amanhãs? Não, Madalena. Nada de amanhã ou colo. Nem outros goles ou tragos ou pescoços. Gravou bem a cena? A cena da gente rindo do roxo do vinho nos dentes? Colou na memória feito cola de sapateiro na sola daquele sapato que deixava tuas pernas ainda mais lindas? A gente rindo e indo e vindo e esquecendo do mundo, você gravou Madalena? Não teremos outra, não teremos tempo nem a sorte que disse a cartomante. Aquela sorte de ter te visto ali sozinha, dançando sorrindo. De quando você ficou doida em saber que eu era aquele que você já conhecia, mas não assim pessoalmente em voz, perfume e sotaque. O que é feito da sorte Madalena? Quem tem coragem de aceita-la?

Eu não deveria ter dito isso tudo. Sumir também não deveria ter sumido. Não me ame tanto, Madá. Fingirei o mesmo. Vou buscar você sempre grudada na memória, que esta, diferente de mim, não se acovarda.




Jornalista, escreve no Blog da Fêre há oito anos, espaço criado para publicação de seus escritos e divulgação da música brasileira. Fêre tem algumas parcerias musicais com músicos de Floripa e Sampa e é colunista na revista digital Itinerário Imprevisto. Cotidiano Horizonte é seu primeiro livro publicado.
Veja a coluna da Fêre Rocha