Vigilantes pelo fim da violência contra a mulher

Postado em 19/11/2016, 11:30

Sueli, 45 anos, levou dois tiros no dia 28 de outubro. Aline, 29 anos, foi atingida com vários golpes de faca no tórax e braços no dia 11 de agosto.  Ana Maria, 58 anos, teve um tiro disparado contra o abdômen em 8 de junho. Três moradoras da região de Chapecó, oeste de Santa Catarina, mortas este ano em crimes que tem os ex-maridos como principais suspeitos. Para que casos como estes não figurem apenas como fichas policiais e sejam reconhecidos como feminicídio é que acontece em Chapecó todos os anos a Vigília Feminista.

Pelo sétimo ano consecutivo, a Vigília Feminista mobiliza a região oeste de Santa Catarina na luta pelo fim da violência contra as mulheres. Nesta edição, a atividade concentra diversos movimentos feministas e de mulheres em um calendário de atividades durante todo o mês de novembro. A agenda encerra na noite do dia 25 de novembro, Dia Nacional da luta. Dezenas de mulheres se concentrarão na praça Coronel Bertaso para marcar as recorrentes mortes provocadas pelo machismo durante a “Virada Feminista”. “É uma experiência nova, faremos uma atividade cultural com a participação de diversas organizações que compõem o Conselho Municipal de Direitos da Mulher, sindicatos de base estadual, mulheres camponesas e outros movimentos que fazem a luta contra a violência”, conta Liliane Araujo, integrante da UBM-Chapecó.

 

vigilia_programa

Despertar e conscientizar

Militante da União Brasileira de Mulheres (UBM) e da Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB), Zilda Quadros foi uma das idealizadoras da vigília na cidade. Ela conta que a proposta, que nasceu em Pernambuco, se espalhou por todo o Brasil numa ação articulada pela AMB em 2008, quando ainda se lutava pela aprovação da Lei Maria da Penha.

A vigília, palavra do latim que significa “estar desperto”, é prática recorrente em algumas religiões cristãs. Nestes rituais noturnos, há cânticos, rezas e pregações focados em um tema específico ou pré-estabelecido, geralmente em favor de pessoas doentes. “Em geral, as vigílias são realizadas em templos de oração ou em residências. Foram e são ainda as mulheres que organizam este ritual, aglutinando pessoas, familiares, vizinhança e amigos em torno a uma pessoa desaparecida, ou em grave sofrimento, ou que está muito doente”, conta Zilda.

A partir desta ideia geral, é que as feministas idealizaram uma vigília com métodos próprios. O principal deles é que trocam o espaço privado das vigílias convencionais por locais públicos. Em geral, em Chapecó, ocorrem na Praça Central da cidade, e concentram ainda faixas e outros artifícios para dar visibilidade à ação. O objetivo é questionar os valores patriarcais, divulgar as diversas formas de violência contra as mulheres e cobrar do poder público medidas de enfrentamento ao feminicídio. “Mesclamos o protesto contra a violência com a denúncia de casos recentes, a reivindicação de liberdade e, especialmente, momentos de expressão da solidariedade entre as mulheres”, conta Zilda.

VIGÍLIA FEMINISTA

Quando: durante todo o mês, culminando com a Virada Feminista em 25 de novembro

Onde: Chapecó