É a primeira edição das Freedas, pelas irmãs Gika Voigt e Srta V/Foto: divulgação

Somos todas “free”: Freedas protesta contra o machismo

Postado em 20/01/2017, 18:43

daia.constantino@gmail.com

De mulheres para mulheres. Esse é o espírito da primeira edição do show Freedas, comandado pelas irmãs Carol (SrtaV) e Gika Voigt. As cantoras apresentam-se no domingo (22), às 19h, no Cafundó Bar Cultural, em Blumenau. Nesta edição, as Freedas convidam o percussionista Leonardo Vidgi para compor o show que terá música brasileira e algumas novidades num repertório intimista com uma pitadz de ritmos nordestinos.

O nome Freedas é inspirado pela figura de Frida Kahlo e tudo o que ela representa enquanto mulher dentro do cenário cultural mundial. É também uma brincadeira com as personagens mulheres típicas de origem alemã, frequentemente associadas à cidade de Blumenau, de onde são as duas irmãs. Sobretudo é uma crítica às costumeiras “vantagens” concedidas ao público feminino nos preços dos ingressos de festas e de baladas. O pano de fundo é o combate ao machismo no universo de produção e consumo cultural, mas o resultado é um encontro de diversidades em um repertório livre, com variadas influências.

Em conversa com o Portal Catarinas, Carol disse que as “promoções” destinadas às mulheres no mundo dos negócios de produção cultural parecem favorecer as mulheres, mas têm e o objetivo de atrair mais homens, validando e promovendo comportamentos machistas nestas festas. Mulheres free significa que “nós (mulheres) estamos de graça”, segundo ela.

“Se derem uma caipirinha para as mulheres na entrada, leio ‘estamos de graça e fáceis’. Não faz muito tempo, tentei propor entrada de homens free e sortear 20 vips para cavalheiros que soubessem dançar”, compartilha ela sobre a tentativa frustrada. “O cara emperrou falando que 20 VIPS eram demais. Mas na semana do evento estava lá a divulgação de que as primeiras 50 mulheres eram free, mais que o dobro do que eu tinha proposto”, conta.

Segundo Carol, não é nada fácil ser produtora cultural num universo ainda tão dominado por homens e conta que gaslighting rola o tempo todo. “O tempo todo! Quase nunca me dão razão, e quando insisto ou preciso ser mais enfática em alguns pontos das negociações dos detalhes dos shows, me tratam como se eu fosse a chata, ou a louca. Eu tenho a sorte de ser acompanhada por uma banda linda no forró – composta por três homens. Acredito mais na humanidade quando toco com eles. Eles me escutam de verdade, me deixam falar as coisas sérias, ou bobagens e entram na minha onda, que muitas vezes é mais feminina mesmo.”

Srta.V acredita que, aos poucos, o forró está perdendo o caráter machista e as mulheres estão tomando cada vez mais iniciativa de convidar os homens para uma dança. “Já ouvi professoras e professores de dança que incentivam isso”, comenta ela, que tem em sua rede social um meme “Damas empoderadas tiram os cavalheiros pra dançar”. “O forró é só um lugar onde pessoas bem diferentes se encontram, e muitas dessas pessoas ainda estão no processo de se despir de preconceitos de todo tipo. É devagar e muitos ainda resistem defendendo com unhas e dentes suas piadinhas machistas e homofóbicas”, diz.

“O forró nasceu machista, dentro de um contexto absolutamente primitivo de entendimento da mulher. Tanto que antigamente quando a pessoa era casada, ou comprometida não podia dançar com mais ninguém. A velha história de mulher rodada eu imagino que tenha vindo daí, dos bailes onde as recatadas e do lar provavelmente nem iam, e se fossem estariam sob a mira do marido o tempo todo”, reflete Carol.

Sobre o trabalho ao lado da irmã Gika, Carol destaca: “Temos conversado sobre o feminino e tudo isso dentro da gente. E como esse movimento de resgate ancestral nos fortalece enquanto mulheres.” Freedas é uma referência às origens, à artista guerreira que as inspira e ao fato de apenas quererem ser “Free”, informa na página do evento no Facebook. Homens só entram se forem convidados por meninas de modo a não excluir ninguém desse encontro, mas de deixar claro que nesta festa quem tem voz são as mulheres.

 Serviço
O que: Freedas, cantoras Carol (Srta V) e Gika Voigt
Quando: Domingo (22), às 19h
Onde: Cafundó Bar Cultural – Rua Pastor Oswaldo Hesse, 388, Ribeirão Fresco

 

Tags: , ,