Publicação é dedicada à memória da democracia/Foto: capa do livro

Pesquisadoras e jornalistas lançam e-book gratuito “Mídia, Misoginia e Golpe”

Postado em 13/03/2017, 19:02

Foi golpe? A mídia apoiou? A misoginia impactou? Essas são questões centrais na coletânea de 52 entrevistas com personalidades acadêmicas e políticas, cujo resultado é o livro digital “Mídia, Misoginia e Golpe”. Lançado neste mês da mulher pela FAC Livros, a publicação pode ser baixada gratuitamente AQUI.

O volume foi organizado por Elen Cristina Geraldes, Tânia Regina Oliveira Ramos, Juliano Domingues da Silva, Liliane Maria Macedo Machado e Vanessa Negrini, numa parceria entre o Laboratório de Políticas de Comunicação – LaPCom, do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Comunicação da UnB (FAC/UnB), e do Grupo de Trabalho Políticas e Estratégias de Comunicação da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

“Pela gravidade dos desdobramentos, a academia não poderia se furtar a este debate, mesmo correndo o risco de não haver o distanciamento histórico buscado na ciência. Neste caso, se calar equivaleria anuir com o processo. Que este livro seja fonte de reflexão sobre o papel e o poder da mídia, sobre a necessidade renovada de se resistir ao machismo, ao sexismo e à misoginia, com vistas à construção de uma sociedade plural, justa e democrática”, afirmam organizadoras e organizadores na apresentação.

livro

“A mídia divulgou sem nenhum comentário crítico o ‘adeus, querida!’ ou ‘tchau, querida’ num tom de deboche e machismo. Aqui estou me referindo à grande mídia porque o que rolou nas redes sociais foi de uma agressão tão desproporcional que não vou comentar”, afirmou para as pesquisadoras a entrevistada Amelinha Teles, militante histórica do PCdoB.

Amelinha lembrou da matéria da revista Veja que retratou Marcela Temer como “bela, recatada e do lar”. “A revista indicou que as mulheres devem permanecer na submissão e em busca de agradar e depender de homens; o mundo é dos homens e, em particular, o mundo da política. Este foi o recado da mídia misógina e racista, uma forma de insultar a todas nós mulheres”.

Foi golpe
De maneira geral, os entrevistados e entrevistadas afirmaram que, sim, o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi um golpe, embora com características diferentes do que houve anteriormente na história política do país. Veículos da mídia tradicional foram apontados pela maioria das entrevistadas e entrevistados como arquitetos do golpe – atuantes de forma articulada com os grupos beneficiários do processo.

“No caso do impeachment, as mídias hegemônicas no Brasil, como a Globo, a Revista Veja, outros canais de TV, jornais de grande circulação, mesmo os portais de internet, UOL, G1, etc., fizeram uma campanha massiva e homogênea contra a Dilma, comprando a ideia de afastar a Dilma e fazer um impeachment”, afirmou Heloísa Buarque de Almeida, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da USP.

As questões de gênero, a misoginia, o sexismo, a herança de uma cultura que se forjou no patriarcado, foram ingredientes apontados como de grande relevância para influenciar a opinião pública durante a cobertura do processo de impeachment.

Por fim, os entrevistados e entrevistadas observaram que a derrubada de Dilma representa um duro golpe na participação feminina na política brasileira, que já era considerada uma das mais baixas no mundo, com reflexos e ameaças ao processo de conquistas sociais e culturais em construção nos últimos anos.