Greve Geral do dia 28 de abril. Foto: Catarinas.

Nova Greve Geral reivindica derrubada de reformas

Postado em 29/06/2017, 15:50

Uma nova greve geral está programada para esta sexta-feira (30). Movimentos sociais e sindical prometem atos e paralisações em todo o Brasil e reivindicam a derrubada da reforma trabalhista, aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Federal, na noite dessa quarta-feira (28). O texto segue agora para plenário, com data de votação prevista para 10 de julho. Outra reivindicação prioritária do movimento paredista de 30 de junho é a retirada de tramitação da reforma da previdência, que deve ir a votação na Câmara no mês de agosto.

LEIA MAIS:
:: Governo e deputados fazem mudanças superficiais no texto da reforma trabalhista
:: Com pressão, urgência da reforma trabalhista é derrubada no Congresso Nacional
:: Catarinas em Debate 1- A reforma da previdência e o impacto na vida das mulheres

Articulada pelas centrais sindicais e movimentos sociais, a mobilização é a quinta atividade de massa realizada no primeiro semestre de 2017. As ações de enfrentamento direto começaram com a Greve Internacional de Mulheres, no dia 8 de março, que no Brasil contou com adesão em todos os estado, seguida da paralisação nacional do dia 15 de março, mobilizada pelos trabalhadores da educação e que se expandiu para diversas categorias. A Greve Geral do dia 28 de abril também foi um marco da organização classista em defesa de direitos, compreendida pelos movimentos sociais e sindical como a maior desde 1989. Já no dia 24 de maio, o movimento Ocupa Brasília, reuniu mais de 150 mil pessoas contra as reformas previdenciária e trabalhista, desencadeando uma guerra campal entre manifestantes e o aparato militar.

RELEMBRE AS COBERTURAS DE CATARINAS

8M
:: Em Florianópolis, mulheres se reúnem em mais de 15 horas de manifestações

15M
:: Florianópolis protesta contra a Reforma da Previdência

28 de abril
:: Greve Geral é a pauta do programa Catarinas em Debate
:: Trabalhadoras e trabalhadores de SC aderem à greve geral
:: Greve geral encoraja novas mobilizações

24 de maio
:: Violência policial marca protestos contra reformas e pela saída de Temer

 

Ilustração: Frank Maia

Em Santa Catarina, o Fórum de Lutas por Direitos organiza o movimento, em conjunto com as centrais sindicais – CUT, CTB, Intersindical, CSP/Conlutas, UGT e Nova Central – e as Frentes “Povo Sem Medo” e “Brasil Popular”. Para integrantes do Fórum, a greve é a ação concreta que pode impedir a aprovação das reformas

Algumas categorias já aprovaram em assembleias a paralisação de suas atividades durante todo o dia ou em alguns períodos, como os trabalhadores do transporte público de Florianópolis que paralisarão das 8h às 11h e das 15h às 17h. Além da greve, atos e passeatas devem ocorrer em todas as regiões do estado.

LEIA TAMBÉM:
:: Florianópolis se prepara para a greve geral

Até a tarde desta quinta-feira (29), Catarinas levantou o seguinte quadro de greve e atividades pelo Estado:

Concentrações e atos
FLORIANÓPOLIS às 15hs em frente ao Ticen
CHAPECÓ às 9hs noTrevo da BR 282
LAGES às 16h30 no Calçadão Pça João Costa
ARARANGUÁ às 8h em frente ao INSS
CAÇADOR às 9h no Largo Caçanjurê
ITAJAÍ às 5h (local não divulgado)
JOINVILLE às 14h na Praça da Bandeira
BLUMENAU às 13h30 Praça Victor Konder
CAMPOS NOVOS às 8h30 na BR282/BRF
RIO DO SUL às 9h na Praça da Catedral e BR470

Entidades que já deliberaram greve:
Sinasefe/Seção IFSC
Sindsaúde/SC
Sintrasem/Florianópolis
Sintrafesc
Sintufsc
Sindpd
Sintaema/CASAN
Sintect
Sitespm-CHR/Chapecó
Sisme
Sindi-SJCR
Sintrajusc
Sintespe
Sindprevs/SC
UFFS (técnicos)
Sinergia
Sinte/SC
Sinpsi/SC
Auditores Fiscais
Seeb/Florianópolis
Sindes
Sintraturb
Sintraseb/Blumenau
Sinsej/Joinville
Sintram/São José
Trabalhadores da Agricultura Familiar