Jornalistas Paula Guimarães e Clarissa Peixoto falam sobre experiência editorial do Portal Catarinas

Jornalistas apresentam experiência do portal Catarinas em seminário sobre direitos das mulheres

Postado em 08/03/2017, 12:19

Na semana em que Catarinas, o primeiro portal de notícias com perspectiva de gênero e enfoque feminista e direitos humanos do Brasil, completa um ano do lançamento da campanha de financiamento coletivo, que possibilitou a concretização desta experiência editorial em Florianópolis, as idealizadoras contam sobre o resultado desta iniciativa em eventos alusivos ao Dia Internacional da Mulher.

“A proposta do Catarinas, da própria ideia de comunicação diferenciada feminista, surgiu de uma conexão nossa – minha da Keli, da Ana e Paula – de uma série de encontros do movimento feminista. Acho importante destacar também o período de estada na Rede Nacional Feminista de Saúde de Santa Catarina, que desde 2012 está instalada aqui. Nós atuamos lá juntas. É importante localizar porque é desse processo. A rede teve esse papel de reunir a gente”, contou a jornalista Clarissa Peixota, uma das idealizadoras do portal, durante o seminário “Os Direitos das Mulheres”, realizado na terça-feira (07), na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc).

A discussão ganhou força sobre a possibilidade de criar uma plataforma de produção de conteúdo, abordagem do feminismo e de questões relacionadas à democratização da comunicação. Segundo Clarissa, a partir disso, começou o desenho do que seria o jornalismo com perspectiva de gênero. “A ideia é fazer um jornalismo, que não é um jornalismo hegemônico; diante de um cenário de jornalismo que se transforma, em que o modelo tradicional econômico do jornalismo está em crise, que a falta de democracia comunicacional, principalmente, no Brasil também coloca essa profissão em xeque.”

Além da plataforma on-line, a proposta inscrita em campanha de financiamento coletivo contemplou a realização de uma reportagem especial sobre o aborto, contou a jornalista e também idealizadora do portal Paula Guimarães, durante o seminário. “Essa questão dos direitos sexuais reprodutivos é uma questão muito forte e que diz várias outras questões sobre a vida das mulheres. A gente entrou nesse tema difícil e que as pessoas não gostam de falar. E que as entidades de classe médica não gostam de se colocar sobre esse tema. Entrevistamos quatro mulheres, que chamamos de clandestinas. Elas contaram suas histórias de como vivenciaram o aborto em determina época e detalharam essa experiência de solidão, que não podem contar a outras pessoas por ser um crime e tabu.”  Quem ainda não conferiu a reportagem ou gostaria de revisitá-la, ela pode ser acessada aqui: http://catarinas.info/somosmuitas-clandestinas-por-um-debate-etico-sobre-o-aborto/

A campanha de financiamento mobilizou mais de 160 pessoas que apoiaram o projeto na plataforma Catarse e tantas outras que contribuíram com sua arte, trabalho e divulgação em rede. A arrecadação de R$ 16.985 gerou renda direta e indiretamente para cerca de 20 pessoas. Cumprindo a meta estabelecida, o portal entrou no ar em julho.

Em evento no câmpus São José do IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina), na segunda-feira (6), Clarissa destacou que, atualmente, além de produzir os próprios conteúdos jornalísticos, como reportagens, entrevistas e coberturas de eventos, o portal faz curadoria de informações veiculadas sobre gênero, feminismo, direitos humanos. Também busca a pluralidade de formatos, indo para além do texto e da foto. Uma das frentes é a parceria com a rádio Udesc Universidade do Estado de Santa Catarina). Quanto ao futuro de Catarinas, o desafio constante são as buscas por alternativas financeiras – que fogem da lógica que sustenta as empresas de comunicação tradicionais – para a manutenção da estrutura do Portal e ampliação do projeto.

Quem estiver interessado em discutir e sugerir temas para serem abordados pelo portal, pode participar da Reunião de Pauta Catarinas, nesta quinta-feira (9), às 19h, no Instituto Arco-Íris, juntamente com artistas independentes, coletivos e movimentos.

Também idealizaram o projeto: a jornalista Ana Araujo e a consultora de projetos em feminismo, gênero e sexualidade, Kelly Vieira. Hoje, o Catarinas conta com uma rede de colaboradores para produção de matérias, artigos de opinião, arte e outros conteúdo.