Florianópolis em destaque na resistência contra o golpe

Postado em 08/09/2016, 7:29

A semana após o golpe parlamentar se completou com a saída de Dilma Rousseff do Palácio da Alvorada, ontem (6). Dilma não demonstrou abatimento, estava plácida, embora seja com essa imagem que se ilustrará passagem tão infeliz nos livros de nossa história. A primeira Presidenta da República, enfim, deve voltar para Porto Alegre, cidade em que vivem a filha e os netos.

Em todo o Brasil, atos exigem o Fora Temer. Mas, outras reivindicações como a não retirada de direitos, as Diretas Já! e o Fora Rede Globo também fazem parte do ensejo de ruptura que esta parcela da população leva às ruas. Na prática, elas demonstram a insatisfação com o golpe parlamentar, com os ataques a direitos trabalhistas e a perda de direitos sociais, sobretudo nas políticas de equidade. A agitação social reforça a necessidade de uma reforma política radical e um novo marco regulatório para as comunicações no Brasil. Em comum, todas revelam seu espectro ideológico vinculado ao campo da esquerda e da garantia dos direitos democráticos, como o voto, por exemplo.

Em Florianópolis, as manifestações se articulam de forma espontânea, porém seguem um ritmo organizado. Se somam ativistas orgânicxs e ex-militates de partidos de esquerda, no entanto, são formados massivamente por um contigente social ligado aos movimentos de juventude e ao horizonte feminista. Vale reforçar que uma significativa parcela de agentes da cultura, sejam artistas ou trabalhadorxs do setor, têm exercido papel fundamental na resistência ao golpe desde a ocupação do Escritório do Ministério da Cultura em Santa Catarina, no prédio da Alfândega, o que se refletiu em maior grau na última semana. Já o movimento sindical vem se incorporando gradativamente aos atos de massa, diante dos tensionamentos já diagnosticados em seu interior pelas disputas dos últimos anos.

Outra marca bastante importante dos protestos em Florianópolis tem sido a cobertura jornalística. Além de um florescente núcleo de veículos independentes que se destacam na cobertura, jornalistas da imprensa tradicional local tem participado, demonstrando em suas publicações as tensões estabelecidas pela ruptura democrática no interior das redações da imprensa-mercado. Talvez, seja o reflexo também do protagonismo de Florianópolis que levou um número considerável de pessoas às ruas logo no dia do impedimento de Dilma, ampliando a participação popular nas duas manifestações seguintes, respectivamente em 2 e 6 de setembro. Na noite de ontem (6), cerca de 20 mil pessoas ocuparam a Avenida Beiramar Norte e marcharam em direção ao Terminal do Centro (Ticen).

Como era de se esperar, a selvageria do aparato policial reforçou a natureza violenta do golpe, principalmente nos dois primeiros protestos. Nunca é demais apontar que o nível de organização da corporação é cada vez maior. Seja do ponto de vista humano, tecnológico ou político, hoje a Polícia Militar é uma das organizações mais fortes do Estado.

A brutalidade da intervenção da PM nos atos do dia 31 de agosto e 2 de setembro, assim como a perseguição a ativistas que participaram dos protestos, tentaram criar um clima de terror que acabou por consolidar o movimento Fora Temer. Nessa terça-feira que antecedeu as comemorações do Dia da Independência, o número de participantes dobrou, forçando a PM que, embora tenha colocado um aparato robusto nas ruas, não atuou de forma tão agressiva como nos dois primeiros manifestos. Ainda sim, é preciso exigir respostas sobre a ação violenta e desproporcional da PM sobre uma massa de jovens que sequer empunhavam pedras e paus para se defender.

Os prognósticos são variados, mas é certo que a resistência toma corpo em todo o Brasil, numa onda de agitação que não se limita apenas aos atos políticos e protestos, mas numa intensa atividade nas redes. Floripa demonstra fôlego para resistir, nesta jornada que muitxs já chamam de Setembrada, em alusão ao episódio da Novembrada, marco das manifestações catarinenses pelo fim da ditadura militar, em 1979.