População se manifesta contra cortes na saúde e PEC 241 em Florianópolis | Foto: Ana Claudia Araujo

Católicas lançam nota contra a PEC 241

Postado em 18/10/2016, 18:05

A organização “Católicas pelo Direito de Decidir” emitiu nota em que se posiciona contra a PEC 241, que congela os investimentos nas principais áreas sociais por 20 anos no Brasil.

O movimento também criticou a aproximação se setores da igreja católica com o governo Temer, simbolizado pela visita do cardeal Dom Orani Tempesta ao Palácio da Alvorada. “A foto do cardeal apertando a mão de Michel Temer no Palácio da Alvorada, não poderia ser mais significativa e emblemática deste posicionamento de um setor católico que escolhe estar ao lado dos poderosos e assim dá as costas a quem mais necessita e mais será prejudicadx”, publicou a organização.

“Felizmente” completa a nota, “a igreja não é homogênea, muitas divergências se processam em seu interior. Com alegria vemos que muitxs outrxs religiosxs e fieis têm se posicionado publicamente contrárixs a PEC 241, intitulada “PEC da Morte” e “PEC do Fim do Mundo”. Dom Francisco Ferreira Paz, por exemplo, classificou a PEC como devastadora e brutal em texto publicado no portal da CNBB.”

Leia a íntegra do texto:

De mãos dadas com os poderosos, de costas para quem mais necessita!!!
Assim se posicionaram os cardeais que estiveram no Palácio na Alvorada no dia 10/10/2016, mesmo dia da primeira votação e aprovação em primeira instância da PEC 241 na Câmara Federal.
A foto, publicada no O Globo, de Dom Orani Tempesta apertando a mão de Michel Temer no Palácio da Alvorada, não poderia ser mais significativa e emblemática deste posicionamento de um setor católico que escolhe estar ao lado dos poderosos e assim dá as costas a quem mais necessita e mais será prejudicadx com os cortes propostos.
Ao darem as mãos ao Presidente, oferecerem sua presença pública carregada de simbolismo e representatividade, portanto, seu apoio e sua “benção” a este governo, forjado por um golpe de Estado de uma bancada parlamentar vinculada aos poderes econômico, bélico, religioso e midiático, e seu projeto político neoliberal, que alia austeridade econômica e conservadorismo moral, atingindo a parcela mais desfavorecida da população brasileira.
Independente de terem comparecido no declarado propósito de rezar pela a aprovação da PEC 241 como noticiou o jornal o Globo ou para tratar de assuntos referentes a Rede Vida como afirmou Dom Odilo Scherer (cardeal de São Paulo também presente no encontro), o fato é que lá estavam apertando a mão do presidente e, paradoxalmente, rezando pelo “futuro [ ?!?!?! ] do país” ao mesmo tempo que indiferentes às ameaças a este futuro.
Caso se confirme a aprovação da PEC241 nas próximas votações, o Brasil padecerá com 20 anos de congelamento do salário mínimo, cortes de investimento em serviços públicos essenciais como saúde e educação, já tão precários e insuficientes. Segundo dados da FGV, se a PEC estivesse vigente em 1998, o salário mínimo seria hoje de $400,00.
Estes cortes não são apenas cifras, representam impactos reais especialmente para a população de baixa renda na vida, na saúde, no acesso à Universidade, no futuro de milhões de pessoas e se farão sentir por muitas décadas para além dos 20 anos de congelamento.
Os cerca de R$ 314,3 bilhões de cortes em saúde significam maior tempo e menor número de atendimentos em saúde sejam emergenciais, preventivos ou de tratamento, menos medicamentos gratuitos ou a preço acessível, menos equipamentos e insumos nos hospitais, aniquilamento dos serviços de planejamento familiar e Aborto Legal, não construção de hospitais entre outros fatores que representam mais mortes que poderiam ser evitadas.
Na Educação significam salas ainda mais lotadas, menos livros, menos materiais e equipamentos tecnológicos adequados; evasão escolar, degradação dos equipamentos educacionais carentes de manutenção e reparos, diminuição da qualidade da merenda escolar necessária ao aprendizado; salários de profissionais cada vez mais defasados e, portanto, profissionais mais desgastados pelas longas jornadas, menos investimento em educação superior. Representam uma educação cada vez mais elitista e excludente caminhando no sentido oposto de reparar as injustiças históricas ocasionadas pelo racismo o sexismo e a desigualdade econômica.
Tenham os cardeais “pecado” pela ignorância ou por opção política, é inconcebível que aqueles que se julgam no direito de representar uma igreja inspirada no projeto de Cristo e seu discipulado, passem ao largo de questões que contradizem este projeto. Cristo entre outrxs líderes de sua época, foi perseguido, torturado e morto justamente por contrariar poderosos fossem eles políticos ou religiosos, e se colocar ao lado dos empobrecidos, oprimidos, discriminados.
Felizmente a igreja não é homogênea, muitas divergências se processam em seu interior. Com alegria vemos que muitxs outrxs religiosxs e fieis têm se posicionado publicamente contrárixs a PEC 241, intitulada “PEC da Morte” e “PEC do Fim do Mundo”. Dom Francisco Ferreira Paz, por exemplo, classificou a PEC como devastadora e brutal em texto publicado no portal da CNBB.
Como Católicas pelo Direito de Decidir, a partir de nossas crenças e convicções políticas, nos somamos a este grupo, damos as mãos a todas as mulheres e homens que se dispõem a enfrentar os poderes instituídos que causam, justificam ou legitimam a injustiça, a desigualdade e a opressão.
Por isso dizemos:
#NãoAPEC241
#ForaTemer