Catarinas por um jornalismo com perspectiva de gênero

Postado em 25/07/2016, 18:32

imagem3

Foto: Dieine Andrade

Um portal de notícias voltado à abordagem de gênero, feminismos e direitos humanos está prestes a ser lançado em Santa Catarina. Financiado coletivamente na plataforma Catarse, Catarinas entra na rede a partir do dia 28 de julho, uma quinta-feira, quando será oficialmente apresentado ao público na Fundação Cultural Badesc, no centro de Florianópolis/SC. Acesse o evento.

estupro

Cobertura do ato “Por todas Elas”

O evento começa às 19h e tem como atrações as cantoras Dandara Manoela e Renata Swoboda, que fazem uma apresentação de voz e violão; o Coletivo Nega – Negras Experimentações Grupo de Artes, com intervenções artísticas do espetáculo Preta-à-Porter, a DJ Alexandra Peixoto e exposição digital das obras da artista plástica Pati Peccin. Na oportunidade, a cantora Renata Swoboda vai lançar uma música inédita com letra da escritora Clara Baccarin.

A história de Catarinas, projeto para a criação de portal de jornalismo especializado, começou a ser escrita nas atividades do “Março é Delas”, alusivas à luta histórica das mulheres por direitos, com o lançamento em 8 de março da campanha de financiamento coletivo.

onde

Ato Março é Delas

Foram 40 dias de campanha com o envolvimento de mais de 160 pessoas que apoiaram o projeto no Catarse e tantas outras contribuíram com sua arte, trabalho e mobilização em rede. O destaque ficou por conta do apoio de artistxs plásticxs e fotógrafxs, por meio da doação de obras, ampliando a mobilização e, consequentemente a arrecadação, com a ação “Leilão virtual Catarinas”. A arrecadação de R$ 16.985 gerou renda direta e indiretamente para cerca de 20 pessoas.

Desde a criação da página na rede social e publicação do blog somosmuitas.blogspot, Catarinas vem atuando com curadoria de informações, produção de conteúdo regional e observatório dos debates públicos sobre o tema, como se propôs no projeto inicial. Agora com o portal, a atividade toma outra dimensão. Trata-se de uma iniciativa inédita que desponta Santa Catarina no jornalismo especializado nessas temáticas.
Segundo a jornalista Paula Guimarães, a receptividade imediata ao projeto mostra a força da demanda social por um jornalismo que promova a reflexão sobre os papéis de gênero, construídos de modo a subjugar as mulheres e o feminino. “O feminismo traz a perspectiva dos direitos humanos em várias dimensões, desnudando as camadas de opressão, social, étnica e de gênero. É uma especialidade que confronta a cadeia de privilégios daqueles que mantém a lógica patriarcal e capitalista”, afirma a jornalista.

IMG_9275_resize

Noite Cultural Catarinas

A jornalista Clarissa Peixoto defende que todo jornalismo responsável deveria se pautar pela perspectiva de gênero, o que não significa comprometer a isenção e a “imparcialidade”, mesmo que essa última seja objeto de controvérsias. “Catarinas faz jornalismo com perspectiva de gênero para trazer à tona temas e personagens sociais invisibilizados pelo pensamento hegemônico, presente na mídia tradicional. Buscamos o contraditório ao que chega às casas das pessoas cotidianamente”, pontua.

Também integram a equipe do portal as jornalistas Ana Claudia Araujo e a estudante de Ciências Sociais, Kelly Vieira. O conselho editorial é composto por mulheres de campos de atuação diversos: Clair Castilhos, dos debates pelos direitos sexuais e reprodutivos; Cristiane Mare da Silva, do movimento de mulheres negras; Guilhermina Ayres, da pauta LBGT; Lilian Rossi, do Programa Nacional de DST e AIDS do Ministério da Saúde; e a antropóloga Mônica Siqueira. A mídia digital conta ainda com colunistas como Carla Salasário Ayres, doutoranda em Ciência Política, e Monique Prada da Central Única das Trabalhadoras e Trabalhadores do Sexo (Cuts).